terça-feira, 12 de agosto de 2014

Depois de enganar o eleitor

Depois de enganar o eleitor, governo do PT discute privatização no setor elétrico


De acordo com fontes ouvidas pelo jornal Valor Econômico, a solução encontrada pelo governo Dilma para resolver a precariedade no serviço das elétricas que atendem Estados do Norte e Nordeste seria a privatização das concessionárias, hoje administradas pela estatal Eletrobras. É evidente que, por uma questão de “coerência” no discurso, o processo de privatização será batizado por outro nome: “Parceria Público-Privada”. Na prática será privatização mesmo. Abaixo trecho da reportagem de Josette Goulart. Voltamos nos comentários:
eletricidade Depois de enganar o eleitor, governo do PT discute privatização no setor elétrico

A possibilidade de privatização de alguns ativos do setor elétrico começa a se tornar uma opção viável e a ser estudada dentro do governo federal. O alto escalão já considera essa a melhor alternativa para as distribuidoras federalizadas que atuam em seis Estados do Norte e Nordeste do país, que estão hoje sob o guarda-chuva da Eletrobras. Mesmo petistas de carteirinha, em cargos estratégicos no setor elétrico, já aceitam a ideia e inclusive a defendem.
O Valor esteve com seis fontes importantes na Eletrobras, na Agência Nacional de Energia Elétrica e no Ministério de Minas e Energia. Todos dizem a mesma coisa: “sim, a privatização é possível”. Esse, admitem, seria o caminho para melhorar a qualidade do serviço prestado pelas distribuidoras Amazonas Energia, Boa Vista Energia, Eletroacre, Ceron (Rondônia), Cepisa (Piauí) e Ceal (Alagoas).
A pecha da “privatização” é o maior obstáculo – por ser político – a ser superado e por isso ainda nenhum estudo formal foi solicitado. Mas se no governo de Luiz Inácio Lula da Silva qualquer discussão sobre o assunto era terminantemente proibida, desde que a presidente Dilma Rousseff apoiou e determinou o programa de concessão dos aeroportos a postura entre os colaboradores da presidente no setor elétrico mudou.
Diversas soluções estão sendo vislumbradas para se fugir dessa questão política. Entre elas, uma das preferidas é a de tratar a privatização como uma “parceria público e privada”, ou seja, vender o controle mas deixar a Eletrobras como sócia – a exemplo do modelo dos aeroportos em que a estatal Infraero será sócia dos investidores privados.
(…)
Toda essa discussão em torno de privatização começou a se fazer necessária depois que a administração da Eletrobras começou a perceber que seus esforços para melhorar a qualidade de suas distribuidoras não surtiram efeitos. São seis as concessionárias que há anos sangram o caixa da empresa. Desde 2008, só em conversão de dívidas em capital, as distribuidoras já consumiram cerca de R$ 5 bilhões da estatal, sem contar volume parecido que foi investido ao longo dos últimos dez anos. Mesmo assim, os prejuízos têm sido constantes e os índices de qualidade e perdas não estão a contento. A mais problemática é a Amazonas Energia, que tem sob seu atendimento toda a indústria da Zona Franca de Manaus.
Apesar das injeções de capital em anos anteriores nas distribuidoras, os balanços publicados em 2011 pela Eletrobras apresentaram um dado preocupante. Até o primeiro trimestre, o passivo de curto prazo estava a descoberto em R$ 750 milhões. Situação que levou os auditores privados da empresa a descreverem, pela primeira vez em suas notas de balanço, que há dúvidas sobre a continuidade operacional dessas companhias. O então diretor presidente das distribuidoras, Pedro Hosken, quando esse passivo se apresentou pela primeira vez, afirmou que, sendo essas empresas públicas, só no longo prazo seria possível resolver o problema. Mas a Eletrobras já administra a situação dessas companhias há mais de dez anos.
http://www.implicante.org/noticias/governo-discute-privatizacao-no-setor-eletrico-resta-definir-que-nome-dar-ao-processo/

Nenhum comentário:

Postar um comentário