segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Renovação

Que este Natal e Ano Novo sejam mais do que confraternizações porque todos os momentos, em especial este novo ano, deverão ser iluminados, abençoados e que os 365 dias, sejam vividos na sua totalidade. Já que Natal significa: NASCER, nasçamos então dia 25, para que os doze vinte e cinco vindouros, sejam a busca da paz, conquista, compreensão, reflexão, prosperidade. Feliz Natal e Ano Novo!


Aos amigos do Blog

sábado, 22 de dezembro de 2012

MEDIDA PROVISÓRIA 2215/2001

VEJA O VÍDEO, ESTAMOS DEZARQUIVANDO A MP 2.215-10 DE 2001, JÀ TEMOS AUDIENCIA PUBLICA PARA 04 DE FEVEREIRO DE 2013, DEPOIS FALAREMOS,UM GRANDE ABRAÇO A TODOS , GENIVALDO DA SILVA, FAVOR DIVULGAR SEM DÓ.     

http://www.youtube.com/watch?v=veXvLOj33k4

http://www.avaaz.org/po/petition/Votacao_no_Congresso_Nacional_da_Medida_Provisoria_221501_LRM_Lei_de_Remuneracao_dos_Militares/?cUbqwdb*

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Esquema pagou dupla sertaneja e Nizan, diz operador

O empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, condenado a mais de 40 anos de prisão por operar o mensalão.
O empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, condenado a mais de 40 anos de prisão por operar o mensalão, entregou à Procuradoria-Geral da República os números de três contas bancárias no exterior nas quais teria feito depósitos para quitar dívidas de campanha do PT com a dupla Zezé Di Camargo e Luciano e com os publicitários Nizan Guanaes e Duda Mendonça. As operações , segundo ele, ocorreram em 2005.
No depoimento prestado em 24 de setembro à Procuradoria-Geral, Valério disse que dinheiro do esquema do mensalão foi usado para pagar a dupla sertaneja e os publicitários. Nesta semana, o Estado confirmou com fontes ligadas ao processo que o empresário também deixou com o Ministério Público os dados das contas bancárias.
Além de terem sido garotos-propaganda de Luiz Inácio Lula da Silva na campanha presidencial de 2002, Zezé Di Camargo e Luciano trabalharam em campanhas petistas em 2004. Nesse mesmo ano, Nizan comandou a campanha derrotada de Jorge Bittar (PT) à prefeitura do Rio - dois anos antes, tinha sido o marqueteiro de José Serra na derrota pela disputa ao Planalto.
Os dados de uma terceira conta, cujo beneficiário seria Duda Mendonça, seriam diferentes da conta nos Estados Unidos na qual o marqueteiro de Lula em 2002 admitiu receber mais de R$ 10 milhões - o publicitário foi absolvido pelo Supremo no julgamento do mensalão após ser acusado de evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Duda trabalhou com petistas também no ano de 2004.
Os publicitários e a dupla sertaneja negam ter recebido qualquer pagamento de forma ilegal (mais informações no texto abaixo).
Papéis. Ontem, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, confirmou o recebimento de documentos e depósitos entregues por Valério, mas não especificou sobre o que eles tratavam.
Segundo a versão de Valério, o dinheiro que ele diz ter ido parar nas contas dos publicitários e dos músicos saiu de um suposto acerto que, conforme afirmou ao Ministério Público, teria ocorrido em 2003 no gabinete presidencial, numa reunião entre Lula, o então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, e o então presidente da Portugal Telecom, Miguel Horta.
O empresário afirmou no depoimento de 24 de setembro que uma fornecedora da Portugal Telecom em Macau, na China, arrumaria cerca de R$ 7 milhões para o PT pagar dívidas de campanha suas e de aliados. Esse dinheiro seria usado, segundo as acusações de Valério, dois anos depois para pagar Nizan, Duda e Zezé Di Camargo e Luciano.
Naquele mesmo 2005, Valério chegou a viajar para Portugal acompanhado de Rogério Tolentino, seu ex-advogado e sócio, e do dirigente do PTB Emerson Palmieri - a viagem, afirmou o deputado cassado Roberto Jefferson ainda em 2005, serviu para "liberar" o dinheiro da Portugal Telecom.
Lula afirmou na semana passada, durante viagem ao exterior, que não responderia às acusações de Valério por se tratar de "mentira". O criminalista José Roberto Batochio, advogado de Palocci, também negou que seu cliente tenha participado das reuniões no Planalto citadas pelo empresário à Procuradoria-Geral da República.
http://estadao.br.msn.com/ultimas-noticias/mensalao/story.aspx?cp-documentid=255239417

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Cmt da 1ª DE, ARBITRARIA​MENTE AFASTOU O PRESIDENTE E ALGUNS DIRETORES DO CLUBE DOS SUBTENENTE​S E SARGENTOS DA VILA MILITAR

POREM A JUSTIÇA FOI FEITA E DE ACORDO COM ALGUNS TRECHOS DO DESPACHO DA JUÍZA FEDERAL EDNA CARVALHO, ELE TEVE UM PRAZO DE 5 (CINCO) DIAS PARA O CUMPRIMENTO DA ORDEM, QUE JÁ FOI FEITO.

“COMPROVA O IMPETRANTE A NATUREZA JURÍDICA PRIVADA DA ASSOCIAÇÃO, COM ESTATUTO PRÓPRIO E DESVINCULADA DO EXÉRCITO BRASILEIRO, NÃO RECEBENDO NENHUMA SUBVENÇÃO."

"Data vênia entendo que a Autoridade Impetrante desviou-se de suas funções institucionais, envolvendo-se em questões particulares de uma associação, a qual traz em seu ESTATUTO OS MECANISMOS DE DEFESA DOS ASSOCIADOS, em ocorrendo desmandos administrativos e financeiros. Vislumbro, in casu, a PRÁTICA DE ATO PERPETRADO COM EXCESSO DE PODER, ou seja, Ato não-conforme ao direito. O Impetrado, ao ordenar, na condição de Comandante da 1ª Divisão do Exército, a suspensão dos poderes recebidos pela Diretoria do Impetrante, após eleição regular, AFASTANDO-A DE SUAS FUNÇÕES ESTATUTÁRIAS, extrapolou suas funções institucionais, intervindo em associação privada, regularmente constituída, com identidade e administração próprias, nos termos dos seus Estatutos Sociais. Isto posto, DEFIRO A LIMINAR, SUSPENDO O ATO QUE AFASTOU o Presidente e alguns Diretores da administração da associação impetrante, fixando o prazo de  5 (cinco) dias, para cumprimento da ordem, sob pena de restar caracterizado o descumprimento da liminar e apresente as informações, no prazo legal."

Ele, General de Divisão Pqdt JOSÉ ALBERTO COSTA ABREU, achou que mandava no CSSVM, só porque o terreno é da União, foi avisado na reunião que  não tinha poderes legais, porém não deu ouvido a ninguém e agora esta tendo que se explicar na justiça.

AMIGOS DIVULGUEM POR FAVOR, PARA QUE TODO BRASIL FIQUE SABENDO.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Desprestigiada e mal paga por esse governo Corrupto


 Somente para lembrar:

Dilma transforma a defesa de Lula em assunto de Governo, mandando Gilberto Carvalho gravar mensagem agressiva contra a Justiça e a Imprensa.

Gilberto Carvalho, o Gilbertinho do caso Celso Daniel e de tantos outros episódios deste PT sujo de lama, conclamando a militância a ir para as ruas defender Lula. É bom que a sociedade acorde para a gravidade deste momento. É o governo brasileiro assumindo, oficialmente, a defesa de Lula, o que pressupõe que não aceitará decisão judicial a respeito, golpeando a democracia.
http://youtu.be/69ya7VGs-rY

sábado, 15 de dezembro de 2012

O "lucro Brasil" das montadoras


Não é só imposto: montadoras têm margem alta aqui. Paga-se R$ 65 mil por carro que custa R$ 30 mil no exterior. Chineses reduziriam isso? Então mais IPIOs dirigentes das montadoras disseminam há décadas a tese de que a causa do alto preço do carro no Brasil é o imposto. O mantra pegou e é quase senso comum que a carga tributária é que faz o brasileiro pagar o carro mais caro do mundo.
Outro fator que costuma ser citado é o custo Brasil, um conjunto de dificuldades estruturais e burocráticas, destacando-se a falta de qualificação profissional e uma estrutura logística cara, insuficiente e arcaica.
As enormes dificuldades que o empresário enfrenta para produzir no Brasil explicam, em parte, o alto preço praticado -não apenas do carro, mas de em qualquer produto.
Mas impostos nem o custo Brasil justificam os US$ 37.636 que o brasileiro para por um Corolla, enquanto o seu colega americano paga US$ 15.450. Na Argentina, país mais próximo tanto geograficamente quanto em relação às dificuldades e problemas, o Corolla também custa mais barato: US$ 21.658.
No Paraguai, o consumidor paga pelo Kia Soul US$ 18 mil, metade do preço no Brasil. Ambos vêm da Coreia. Não há imposto que justifique tamanha diferença. O Volkswagen Jetta custa R$ 65 mil no Brasil, menos de R$ 40 mil no México e R$ 30 mil nos EUA -a propaganda do carro, aliás, tem como protagonista não um executivo, mas um... universitário sofrido (youtu.be/gqDUV-rHQe4).
Há vários outros exemplos. Cito mais um: o Hyundai ix35 é vendido na Argentina por R$ 56 mil. O consumidor brasileiro paga R$ 88 mil.
Se o custo Brasil fosse um fardo pesado nas costas do empresariado, seria impraticável a redução da margem operacional. A crise de 2008 revelou, porém, que havia gordura pra queimar: os preços despencaram.
O índice AutoInforme/Molicar indicou queda média de preço de 10,1% desde a crise de 2008. Carros de algumas marcas tiveram queda de preço de 20%. Não se tem notícia de que essas empresas tenham entrado em colapso por causa disso.
O Hyundai Azera, que era vendido por R$ 100 mil, passou a custar R$ 80 mil após a crise de 2008. Descontos de R$ 5.000, até R$ 10.000, foram comuns no auge da crise, revelando a enorme margem com que algumas montadoras trabalham: em 2010 a GM vendeu um lote do Corsa Classic com desconto de 35% para uma locadora paulista, conforme um ex-executivo da própria locadora.
A chegada dos chineses desvendou o mistério. Equipados e baratos, ameaçaram as marcas tradicionais.
O QQ, da Chery, chegou recheado de equipamentos, alguns inexistentes mesmo em carros de categoria superior, como airbags, freio ABS, sistema de som e sensor de estacionamento. Preço: R$ 22.990. Mas daria pra vender por R$ 19,9 mil, segundo uma fonte da importadora, não fosse a pressão dos concessionários por uma margem maior.
Em março de 2011, a também chinesa JAC Motors começou a vender no Brasil o J3 por R$ 37,9 mil. Reação imediata: a Ford reposicionou o Fiesta hatch, passou a vender o carro pelos mesmos R$ 37,9 mil e instalou nele alguns dos equipamentos que o chinês trazia de série, mas apenas em São Paulo, Rio e Brasília -onde o J3 ameaçava o concorrente.
Mesmo assim, as montadoras instaladas no Brasil se sentiram ameaçadas e, argumentando a defesa do emprego na indústria nacional, pediram socorro ao governo, sendo prontamente atendidas: medida editada em setembro de 2011 impôs super IPI às empresas que não têm fábrica no país. Pela primeira vez, a Anfavea (associação das montadoras), cujos associados não foram atingidos pelo imposto extra, não se rebelou contra nova carga tributária.
A maioria das importadoras absorveu parte dos impostos adicionais e praticou um aumento inferior ao que seria necessário para manter a margem de lucro, indicando que havia muita gordura.
A grande diferença de preço do carro vendido no Brasil em relação a outros países chamou a atenção do Senado. A pedido da senadora Ana Amélia (PP-RS), a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado convocou audiência pública para "discutir e esclarecer as razões para os altos preços dos veículos automotores no país e discutir medidas para a solução do problema".
Realizada na semana passada, com a presença de representantes do Ministério da Fazenda, do Ministério do Desenvolvimento, do Ministério Público Federal, do Sindipeças (Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores) e deste jornalista. Lamentada ausência da Anfavea, a audiência revelou (por um estudo apresentado pelo Sindipeças) que a margem de lucro das montadoras instaladas no Brasil é três vezes maior que nos EUA: no Brasil é de 10%, nos EUA é 3% e a média mundial é de 5%.
A discussão deve continuar, enquanto houver tanta gordura pra queimar!
JOEL SILVEIRA LEITE, 58, é jornalista e diretor da agência AutoInforme

Antecedentes da MP 2215/2001.... A TRAIÇÃO





Sofisma: Militar invertebrado

Impossível conceber que nas Forças Armadas possa existir Liderança, Honradez e Patriotismo em homens invertebrados. É próprio do Líder, do Honrado e do Patriota, ter as vértebras rígidas; engessadas frente ao inimigo ou frente à adversidade. À falta desta higidez a Instituição sucumbiu! Sem equipamentos modernos, só sucata! Sem salário digno, dívida, privações, constrangimentos, baixa estima, êxodo (baixa)! Sem Fibra de Herói, só amorfos! Sem munição, uma hora de fogo? Refém da cobiça internacional! Sem alimentação, meio expediente e ração fria! Adestramento capenga! Subemprego da sucata, faxina em morro!
É imperioso afirmar que o Brasil está desguarnecido e nossa soberania ameaçada graças criminosa omissão do governo e tibieza dos Comandantes das Forças. A quem interessa o desmonte bélico e moral do estamento militar brasileiro? Como justificar tamanha tolerância, subserviência e humilhação imposta por um governo com viés antinacionalista? Paira sobre a Nação ameaça externa? O Glorioso Exército Brasileiro de Caxias será dizimado e substituído por simpatizantes de Dilma/Fidel/Chaves?
O passado de Glórias do Exército Brasileiro está sendo desconstruído sob olhar complacente dos Comandantes e do Povo. Quem desprestigia seu Exército não o FAZ por Patriotismo... Não é chegada à hora de dar um BASTA? Aos vertebrados, se dobrar demais, quebra-se a espinha dorsal, tornando-a incapaz de soerguer, o que pode levar a se tornar um permanente invertebrado rastejante. Já estamos próximo desta perigosa e talvez irreversível mutação.
Creio ser insofismável a higidez vertebral dos nossos Comandantes. Flexibilizaram-na para saber até onde os apátridas pretendem chegar. Neste momento já mostraram a que vieram. Não é prudente permitir a imposição de uma genuflexão que leve a uma irreversível incapacidade de suplantar o irascível inimigo. Fico apreensivo com o fato de que quanto mais tardar o combate, mais traumático e difícil será a Vitória...
Uma certeza salta aos olhos! Os remanescentes dos anos 60 e simpatizantes agregados trabalham diuturnamente e de forma febricitante, para nos impor um regime pernicioso tal qual ao da esmoléu Cuba!
E ao que parece nem tudo acontece como antes no quartel de Abrantes...
Um general prevenido vale por todos! Esta Nação não merece nem olvidará um general Crasso!
Sarides Ferreira de Freitas é 2º Sgt Reformado do EB.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

AGU se recusou a pedir de volta dinheiro do mensalão

Por duas vezes, órgão preferiu não fazer parte de processos de ressarcimento

Justificativa:

A AGU, comandada por Luís Inácio Adams, alega que seu objetivo, ao se recusar a integrar os processos, foi não atrasar os pedidos de ressarcimento ao Erário.

BRASÍLIA — A Advocacia Geral da União (AGU) se recusou por duas vezes a fazer parte de processos que pedem a devolução de dinheiro desviado para o mensalão. Uma das recusas ocorreu há menos de três meses, em meio ao julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) da ação penal referente ao esquema criminoso, e foi orientada pela Procuradoria Geral da União, órgão de direção superior da AGU.

Numa das ações em que a AGU preferiu não entrar no caso, para tentar recuperar o dinheiro desviado, há 21 réus acusados de transações que resultaram em suposto enriquecimento ilícito de beneficiários do mensalão. O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, o ex-presidente do PT José Genoino, o operador do esquema, Marcos Valério, e diretores do Banco Rural são réus no processo, em tramitação na Justiça comum desde 2007. Os beneficiários apontados na ação do Ministério Público Federal (MPF) são políticos do PP, entre eles o deputado federal Pedro Henry (MT). A “vantagem econômica” mencionada na ação é de R$ 4,1 milhões. No STF, todos já foram condenados pela prática dos crimes.
No julgamento do mensalão, o STF concluiu que houve desvio de dinheiro público para o mensalão. Os ministros já iniciaram uma discussão sobre a recuperação dos recursos desviados. A proposta do decano do tribunal, Celso de Mello, é estabelecer um valor mínimo a ser indenizado pelos réus, o que deve ser discutida nesta fase final do julgamento. Os ministros decidiram pela perda de bens de Valério para ressarcir o Erário pelo crime de lavagem de dinheiro. Segundo manifestação de Celso de Mello em plenário, a AGU já deveria ter ingressado com ações para recuperar o dinheiro público.
Decisões tomadas na gestão de Adams
A decisão de não fazer parte de duas ações de improbidade administrativa em curso na Justiça Federal em Brasília foi tomada na gestão do atual advogado-geral da União, Luís Inácio Adams. Apesar da recusa da AGU em fazer parte dos processos, o dinheiro proveniente de um eventual ressarcimento de danos é destinado diretamente ao Tesouro Nacional. Para isso, o juiz responsável deve calcular o valor a ser ressarcido e determinar a devolução na sentença.
A ação na esfera cível pede o ressarcimento integral do dano ao Erário e a intimação da União para atuar no caso junto ao MPF, caso exista o interesse pela recuperação do dinheiro público. A primeira manifestação da AGU foi em maio de 2011, quatro anos depois de iniciada a tramitação do processo. “Aguarda-se autorização do procurador-geral da União para intervir ou não no presente processo”, manifestou em ofício a Procuradoria Regional da União da 1ª Região. Em 14 de setembro deste ano, a mesma unidade confirmou a negativa à Justiça: “Não é pertinente o ingresso da União. A assistência ao MPF só ocorre em ação de improbidade em que, objetiva e concretamente, a atuação da União agregue utilidade ao processo”.
O outro processo em que a AGU se recusou a recuperar o dinheiro público desviado diz respeito à contratação pela Câmara dos Deputados — sob a presidência do deputado João Paulo Cunha (PT-SP) — da SMP&B Comunicação, empresa de Marcos Valério, e ao saque de R$ 50 mil na boca do caixa do Banco Rural pela mulher do parlamentar. São réus no processo o deputado João Paulo, Valério e sócios e diretores do Rural. Também nesse caso, o STF já condenou os envolvidos no esquema.
A ação de improbidade administrativa, com pedido de ressarcimento integral do dano causado, tramita desde 2007. O MPF sugeriu o ingresso da União no processo. “Não se mostra pertinente o ingresso da União, seja pela ausência de elementos próprios a reforçar o quadro probatório, seja porque o interesse público já se encontra devidamente resguardado pela atuação do MPF”, argumentou a AGU na resposta à Justiça, em setembro de 2011. João Paulo responde a outra ação de improbidade na Justiça Federal em Brasília. Uma decisão judicial referente a este processo, em 2007, intimou a União para se posicionar sobre o interesse em atuar ao lado do MPF. Não houve resposta da AGU.
Em reportagem do GLOBO publicada em novembro, sobre as dificuldades da União para reaver o dinheiro público desviado no mensalão, a AGU sustentou que a “reparação pecuniária” decorrente do esquema já era objeto de ações cíveis propostas pelo MPF na primeira instância do Judiciário. Nas manifestações entregues até agora à Justiça, a AGU preferiu ficar fora dos processos.
Sete ações de improbidade em curso
São sete ações de improbidade administrativa abertas como desdobramento da ação penal julgada pelo STF: cinco se referem aos principais núcleos e aos integrantes de cinco partidos beneficiários do valerioduto — as “vantagens econômicas” somam quase R$ 41 milhões — e as outras duas tratam da participação do deputado João Paulo no esquema. A AGU confirmou que não integra o polo ativo em nenhum dos sete processos, apesar da sugestão do MPF nas ações.
A AGU informou ao GLOBO que uma das razões de não ter feito parte nas ações de improbidade em curso na Justiça foi para não atrapalhar e atrasar o pedido de ressarcimento da Procuradoria. “O ingresso da União poderia atrasar a tramitação do processo, impondo a necessidade de sua intimação em todos os atos processuais.” O MPF no DF, por sua vez, diz aguardar decisão do STF sobre como agir em relação ao ingresso da AGU nos autos.“Não houve investigação por parte de órgãos de controle (CGU, TCU, procedimentos disciplinares), o que não legitima a atuação da União no caso”, diz a AGU em resposta ao GLOBO, em referência às ações de improbidade em curso na Justiça.

VIVA O BRASIL.

MP 2215/2001

http://www.youtube.com/watch?v=m6bH00KbGAw&feature=youtu.be

De uma olhada. Vale a pena.

sábado, 1 de dezembro de 2012

Gurgel pode pedir quebra de sigilo bancário


Gurgel pode pedir quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico de Lula e família por causa do Rosegate

O Procurador Geral da República, Roberto Gurgel, se prepara para pedir, a qualquer momento, a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico de Luiz Inácio Lula da Silva & Família. A solicitação é um desdobramento do julgamento do Mensalão e servirá para alimentar de informações o Processo Investigatório. Correndo em segredo de Justiça no Supremo Tribuinal Federal, desde 2007, o trabalho investiga as relações de negócios entre o PT, o Banco BMG, e o mito Lula.

Gurgel quer saber como e onde Lula aplica os recursos que recebe nas palestras que vem dando. O Instituto Lula também pode ser alvo do Procurador, para saber quem são as pessoas físicas e jurídicas que andam financiando as atividades políticas de Lula. A grande preocupação do ex-presidente é com a Polícia e a Receita Federal. Lula foi informado de que servidores fora do controle do Governo – e agindo dentro da lei e do dever de ofício – teriam informações comprometedoras sobre ele e seus filhos.

Lula pode ser surpreendido pelo pedido de Gurgel enquanto curte sua providencial viagem de duas semanas ao exterior. Até embarcar, no próximo dia 7 de dezembro, ficará de repouso e em tratamento médico e fisioterápico. No roteiro, longe dos olhares da mídia e dos microfones e câmeras de arapongagem, Lula deve se encontrar com a Presidenta Dilma, em Paris. Os dois precisam conversar muito – e seriamente. Por aqui, anda perigoso arriscar um bate-papo.

A ex-primeira-dama Marisa Letícia deve viajar com ele. Até porque a grande amiga Rosemery Nóvoa Noronha, que já o acompanhou em 24 viagens internacionais, não pode mais fazer tal serviço de assessoramento, por motivos óbvios. Mesmo PT da vida com tudo que é fofocado na mídia sobre o Rosegate, Marisa será uma defensora do homem que ama e de quem sempre esteve ao lado nos piores momentos. Estar ao lado de Lula, na viagem, ajudará na estratégia de reformar que Lula é uma pessoa “família” e que não se mete em rolos com amantes – como vem se especulando.

Agora, o recente estouro da tubulação de esgoto do Rosegate só se torna um ingrediente ainda mais explosivo contra Lula – que até hoje nunca foi seriamente investigado por nada e, milagrosamente e por conveniências político, econômicas e conjunturais, foi poupado de envolvimento no Mensalão. Por ironia, sem qualquer foro privilegiado ou imunidade, Lula poderá se dizer “vítima de uma devassa” (o sentido denotativo ou conotativo das futuras palavras do grandes líder ficam para a interpretação de cada um).

A maior preocupação de pessoas próximas a Lula é com a saúde dele. Pressões psicológicas – como as que vem sofrendo com o julgamento do Mensalão e o Rosegate – não fazem bem para quem se submete à disciplina de um tratamento pós-câncer de laringe – e deixa muitas sequelas físicas. A ordem médica para Lula é que descanse ao máximo e não se aproxime, em hipótese alguma, de bebidas alcóolicas e da famosa cigarrilha.
Conexão do Porto (Seguro?)

A petralhada anda muito preocupada com uma escabrosa historinha vinda de Portugal e que já viaja em dobra espacial fator 10 pela internet.

Segundo o informe – que ninguém garante ser verdadeiro -, numa viagem de Lula a Portugal, Doutora Rose teria levado, na mala diplomática, 25 milhões de Euros.

O valor, que teria sido declarado à receita portuguesa, seguiu em carro forte para depósito na agência central do Banco Espírito Santo, na cidade do Porto.

Como os documentos sobre a operação estariam arquivados na Aduana do aeroporto internacional Francisco de Sá Carneiro, a petralhada morre de medo que vaze que Rose mandou fazer o depósito tendo Luiz Inácio Lula da Silva como o possível beneficiário de um seguro que fora feito para evitar “algum sinistro” com tanto dinheiro.
Titanic afundando?

Ninguém entende bem os apelidos que os criativos servidores da Polícia Federal colocam em suas operações.

Por isso, cabe a perguntinha idiota:

Será que a tal “Operação Porto Seguro” teria a ver com essa historinha portuguesa do depósito de 25 milhões de Euros no BES?
Cartão na mira

O cartão de crédito corporativo é um bombástico calcanhar de $talinácio.

Boatos fortes que vazam a Operação Porto Seguro revelam que Rosemary Nóvoa Noronha teria torrado US$ 200 mil dólares com o dinheirinho público de plástico nas 24 viagens que fez com seu melhor amigo Lula.

Só na última viagem a Paris, “Doutora Rose” teria gasto 45 mil euros.

Investigadas em auditoria do Tribunal de Contas da União, tais despesas podem fazer parte das investigações do recente inquérito que investiga o mega-esquema de corrupção e tráfico de influência.
Padrinho de viagens

Informe que circula entre lobistas de Brasília é que as viagens de Lula têm sido bancadas pelo agora segundo homem mais rico do Brasil.

Eike Batista, que perdeu o posto para o bilionário Jorge Paulo Lemman, teria colocado um jatinho da OLX à disposição de Lula.

A aeronave nem tem a pintura ou a marca da empresa para dar uma disfarçada...
Seis ou meia dúzia

Para Lula, não faz diferença quem é o mais rico do Brasil no ranking da Bloomberg.

Seja Eike, com US$ 18,6 bilhões, ou Lemman, com US$ 18,9 bilhões.

Tanto o líder do grupo EBX quanto o mega-sócio da Ambev são pessoas muito queridas de Lula
Turnê

Além de Paris, Lula irá a Berlim, Doha e Barcelona.

Na Alemanha, apagará a velinha no aniversário do Sindicato dos Metalúrgicos da velha região comunista.

No Qatar (ou Katar), ele fará mais uma bem remunerada palestrinha para empresários.

Na Espanha, receberá um prêmio do governo Catalão.
Apertem o botão da descarga...

"Se quiserem convocar, convoquem".

Eis as palavras ditas para consumo interno no governo pela Presidenta Dilma Rousseff sobre o Rosegate.

Dilma não se importa se a ex-chefe de gabinete da Presidência da República, Rosemary Novoa de Noronha, for convocada para depor em comissões do Congresso.

Como Dilma garante nada ter a ver com Rose, a amiga de Lula corre sério risco de ser jogada às feras da “oposição” na Câmara ou no Senado...
Fora de Controle

Recado da Presidenta Dilma a colaboradores mais próximos no governo:

A Polícia Federal está incontrolável”.

Quem recebeu - e entendeu – a mensagem da Dilma anda bastante apavorado...
Maleta para reflexão

Mensagem que circula na internet, para profunda reflexão filosófica sobre o materialismo da vida:

Um homem morreu.

Ao se dar conta, viu que Deus se aproximava e tinha uma maleta com Ele.

E Deus disse:

- Bem, filho, hora de irmos.

O homem assombrado perguntou:

- Já? Tão rápido?

Eu tinha muitos planos...

- Sinto muito, mas é o momento de sua partida.

- O que tem na maleta?

Perguntou o homem.

E Deus respondeu:

- Os seus pertences!!!

- Meus pertences?

Minhas coisas, minha roupa, meu dinheiro?

Deus respondeu:

- Esses nunca foram seus, eram da terra.

- Então são as minhas recordações?

- Elas nunca foram suas, elas eram do tempo.

- Meus talentos?

- Esses não pertenciam a você, eram das circunstâncias.

- Então são meus amigos, meus familiares?

- Sinto muito, eles nunca pertenceram a você, eles eram do caminho.

- Minha mulher e meus filhos?

- Eles nunca lhe pertenceram, eram de seu coração.

- É o meu corpo.

- Nunca foi seu, ele era do pó.

- Então é a minha alma.

- Não!

Essa é minha.

Então, o homem cheio de medo, tomou a maleta de Deus e ao abri-la se deu conta de que estava vazia...

Com uma lágrima de desamparo brotando em seus olhos, o homem disse:

- Nunca tive nada?

- É assim, cada um dos momentos que você viveu foram seus.

A vida é só um momento...

Detalhe importante: Em São Bernardo do Campo, tal historinha está censurada... Por que será???

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus.
Jorge Serrão -  1º de Dezembro de 2012.