domingo, 25 de novembro de 2012

Servidor do TCU que vendeu parecer delatou esquema de corrupção à PF

Dilma soube da operação da PF no dia da posse no STF, daí a cara amarrada


Momentos antes de seguirem para a posse do ministro Joaquim Barbosa na presidência do Supremo Tribunal Federal, nesta quinta-feira (22), o ministro José Eduardo Cardoso (Justiça) avisou a presidenta Dilma que no dia seguinte, sexta (23), a Polícia Federal deflagraria a operação Porto Seguro, cumprindo mandados de busca e apreensão e prendendo diretores das agências reguladoras Ana e Anac. Isso foi o que determinou sua chegada com atraso à solenidade de posse e principalmente a "cara amarrada", interpretada como suposto desagrado da presidenta em relação às recentes decisão da Corte no processo do mensalão. O que mais irritou a presidente foi a informação de que a chefe de gabinete do escritório da presidência da República em São Paulo e amiga íntima de Lula, Rosemary Nóvoa de Noronha, era uma das principais investigadas por tráfico de influência, segundo indicam escutas telefônicas. "Rose" foi indiciada por corrupção ativa e passiva. Ela foi flagrada negociando suborno em dinheiro e favores, como uma viagem de cruzeiro (que ela depois reclamou não ser luxuoso o suficiente) e uma cirurgia plástica. Numa conversa gravada, a amiga de Lula pediu R$ 650 mil por serviços prestados.
'Rose', íntima de Lula, indicou os dois diretores de agências presos pela PF


ROSE, A AMIGA DE LULA 

 Rosemary Novoa de Noronha, chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, é agora responsável por um dos maiores constrangimentos já impostos ao Poder Executivo na história recente do Brasil: nesta sexta (23), a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão no escritório presidencial na capital paulista, no âmbito da operação Porto Seguro, que investiga servidores que  emitia pareceres fraudulentos, a fim de beneficiar interesses privados. Rosemary, a "Rose", exerce forte influência nas decisões do Executivo desde o governo do ex-presidente Lula, com quem ela mantém relações pessoais especialmente íntimas. Foi "Rose" quem indicou os dois diretores da Agência Nacional de Águas (ana) e Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) presos pela PF. Ela exerce a função desde o governo Lula e foi mantida no cargo a pedido dele, apesar das conhecidas restrições da ex-primeira dama Marisa Letícia.





A Polícia Federal indiciou, nesta sexta-feira,18 suspeitos de integrar um esquema de fraude em pareceres técnicos de órgãos públicos, e prendeu seis pessoas, incluindo Paulo Rodrigues Vieira, diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), e outro da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A operação Porto Seguro envolveu 180 agentes nas cidades paulistas de Cruzeiro, Dracena, Santos, São Paulo e em Brasília. Foram cumpridos 26 mandados de busca e apreensão em São Paulo e 17 na capital federal. De acordo com as investigações, o grupo subornava funcionários para obter pareceres fraudulentos, a fim de beneficiar interesses privados. Um deles, servidor do Tribunal de Contas da União, já exonerado, procurou a PF para confessar seu arrependimento por vender um parecer técnico por R$ 300 mil. A investigação da PF aponta que três advogados e um empresário eram responsáveis por localizar e contatar grupos empresariais ou pessoas físicas interessadas no se rviço. Dois servidores identificavam funcionários corruptos de órgãos públicos.

Nas asas da PF

Foi um alvoroço ontem em Brasília: a Operação Porto Seguro apreendeu o computador de diretor e ex-corregedor da Agência Nacional de Aviação Civil, indicado por Lula. Rolo em aeroportos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário