segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Essa é para Gaúcho pagar.

Caso da Cesa explica o Rio Grande do Sul




Não existe justificativa que preste para manter a empresa que armazena prejuízos, e mesmo assim os governantes não estancam a sangria de recursos

Infelizmente para o nosso bolso de contribuintes, prezados leitores, o governador Tarso Genro não terá a coragem que faltou a seus antecessores Antônio Britto, Olívio Dutra, Germano Rigotto e Yeda Crusius para estancar o sangramento de recursos públicos que se chama Companhia Estadual de Silos e Armazéns. Não que lhe falte o atributo (o asilo ao assassino italiano é uma prova disso), mas, como os chefes de Executivo anteriores, em maior ou menor grau, foge de decisões que possam arranhar a sua imagem como político, que vive do voto, e a do seu partido fundado na representação dos interesses sindicais de empregados. Alguém perguntaria: quem, então, promoveu o fechamento da Açúcar Gaúcho (Agasa), da Produtos Gaúchos (Progasa, para, acreditem, lidar com cebola) e da Companhia Intermunicipal de Estradas Alimentadoras (Cintea), criadas na mesma época da Cesa, e ou da Caixa Econômica Estadual. Aquelas caíram de podres, e esta, já bichada, foi exigência do Ministério da Fazenda.

As informações, apenas atualizadas, sobre o desempenho da Cesa referidas na semana passada na Assembleia Legislativa, consolidadas e aprofundadas com competência incomum na Zero Hora de ontem, mostram que a empresa pública está em situação insustentável – rigorosamente insustentável. E assim continuará em mais um governo republicano, em que “coisa pública” continua coisa mesmo. A companhia que armazena 1% (um por cento!) do total da produção do Estado tem uma dívida de R$ 178 milhões, o que é muito mais do que o seu patrimônio, não tem receita nem para pagar a folha de seus 206 funcionários (R$ 1 milhão em setembro), quanto mais para saldar o passivo trabalhista de R$ 17.7 milhões, e que teria explodido no ano passado se o Tesouro não lhe alcançasse a bagatela de R$ 33 milhões. É justo isto, quando faltam, entre dezenas de carências, postos de saúde e hospitais para os cidadãos?


Quer mais............

O perfil do assediador moral

 A Amaerj (Associação dos Magistrados do RJ) mantem, há mais de um ano, um serviço de utilidade pública, de orientação aos cidadãos, sobre questões que causam dúvidas e costumam gerar problemas para indivíduos, famílias e empresas.




O último boletim ontem (27) distribuído trata do assédio moral. E resume qual é o perfil do assediador.



"Segundo psicólogos e psiquiatras especializados no problema, o praticante de assédio moral tem personalidade narcisista, com as seguintes características: 1) fantasias de sucesso ilimitado e de poder; 2) acredita ser especial e singular; 3) tem excessiva necessidade de ser admirado; 4) pensa que tudo lhe é devido; 5) explora o outro nas relações interpessoais; 6) inveja muitas vezes os outros e tem atitudes e comportamentos arrogantes".



Distância dele!



Outras informações



* O assédio moral no trabalho é caracterizado por condutas que exponham funcionários de empresas a situações humilhantes e constrangedoras dentro de seu ambiente profissional.



* Atitudes como agressões físicas, verbais, repasse de instruções confusas ou imprecisas ao empregado, atribuições de erros imaginários, sobrecarga de tarefas, isolamento, brincadeiras de mau gosto, insultos, ameaças, ignorar a presença do trabalhador, não lhe cumprimentando ou não lhe digirindo a palavra, revistas vexatórias e restrição do uso de sanitários configuram-se, segundo o Ministério do Trabalho, como práticas de assédio moral.



* Muitas vezes, o assédio moral só pode ser resolvido com a intervenção da Justiça. Porém, um julgamento só se estabelece a partir de provas concretas. Por isso, para se defender eficazmente, é preciso que se conheça bem os direitos. A orientação de um advogado sempre é importante.



Como a vítima deve proceder



Segundo compilou o saite assediomoral.org, as pessoas que sofrem com o problema devem adotar as seguintes providências:



1. Resistir: anotar com detalhes toda as humilhações sofridas (dia, mês, ano, hora, local ou setor, nome do agressor, colegas que testemunharam, conteúdo da conversa etc.



2. Dar visibilidade, procurando a ajuda dos colegas, principalmente daqueles que testemunharam o fato ou que já sofreram humilhações do agressor.



3. Organizar-se. O apoio é fundamental dentro e fora da empresa.



4. Evitar conversar com o agressor, sem testemunhas. Ir sempre com colega de trabalho ou representante sindical.



5. Exigir por escrito, explicações do ato agressor e permanecer com cópia da carta enviada ao D.P. ou R.H e da eventual resposta do agressor. Se possível mandar sua carta registrada, por correio, guardando o recibo.



6. Procurar seu sindicato e relatar o acontecido para diretores e outras instâncias como médicos ou advogados da entidade sindical, assim como Ministério Público, Justiça do Trabalho, Comissão de Direitos Humanos e Conselho Regional de Medicina.



7. Ler a Resolução do Conselho Federal de Medicina nº.1488/98 sobre a saúde do trabalhador.



8. Recorrer ao Centro de Referência em Saúde dosTrabalhadores e contar a humilhação sofrida ao médico, assistente social ou psicólogo.



9. Buscar apoio junto a familiares, amigos e colegas, pois o afeto e a solidariedade são fundamentais para recuperação da autoestima, dignidade, identidade e cidadania.



Fonte: Espaço Vital - www.espacovital.com.br - 28/10/2011

Quarta Turma rejeita penhora de 30% sobre salário

 A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão unânime, reafirmou a impossibilidade de penhora de salário e reformou decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF), que havia admitido o bloqueio de 30% da remuneração depositada na conta bancária de uma devedora.




Após decisão de primeiro grau, que desconsiderou a personalidade jurídica de empresa devedora e determinou o bloqueio de contas bancárias, tanto em nome da empresa como dos sócios, uma sócia – que é servidora pública – apresentou pedido de reconsideração para ter sua conta desbloqueada. Segundo ela, não foram ressalvados os salários depositados em sua única conta corrente, os quais têm natureza alimentar.



O juiz atendeu parcialmente o pedido de reconsideração e liberou 70% do valor pago a título de remuneração salarial. A sócia da empresa recorreu ao TJDF, o qual manteve a decisão do juízo de primeira instância.



No recurso especial, a servidora argumentou ser ilegal o bloqueio do seu salário e apontou violação do artigo 649, inciso IV, do Código de Processo Civil (CPC), que considera “absolutamente impenhoráveis” os vencimentos, subsídios, soldos, salários, remunerações, proventos de aposentadoria, pensões, pecúlios, montepios e outras verbas de caráter alimentar.



O ministro relator do recurso, Luis Felipe Salomão, lembrou que a jurisprudência do STJ tem interpretado a expressão “salário” de forma ampla. Nessa interpretação, todos os créditos decorrentes da atividade profissional estão incluídos na categoria protegida. Em seu voto, citou vários precedentes relacionados ao tema.



Para ele, a decisão do Tribunal de Justiça contraria entendimento pacífico do STJ, pois é inadmissível a penhora até mesmo de valores recebidos a título de verba rescisória de contrato de trabalho, depositados em conta corrente destinada ao recebimento de remuneração salarial, ainda que tais verbas estejam aplicadas em fundos de investimentos, no próprio banco, para melhor aproveitamento do depósito.



E concluiu que “é possível a penhora on line em conta corrente do devedor, desde que ressalvados valores oriundos de depósitos com manifesto caráter alimentar, como, no caso, os valores percebidos a título de salário”.



Com isso, a Turma deu provimento ao recurso especial e reconheceu a impenhorabilidade dos valores relativos ao salário recebido pela servidora.



Processo: REsp 904774



Fonte: STJ - Superior Tribunal de Justiça - 28/10/2011

domingo, 30 de outubro de 2011

O reajuste para as Forças Armadas

O reajuste para as Forças Armadas, Precisa de Você........O que você esta esperando!!!! Pelo Comandante do Exército Gen. Enzo??? Compre uma cadeira. Pelo Ministro da defesa compre duas cadeiras.


NÓS NECESSITAMOS DE UNIÃO X PRESSÃO.

SOMENTE ASSIM CONSEGUIREMOS ALGUMA COISA.

PENSE NESSA SOLUÇÃO!!!!!


O reajuste para as Forças Armadas, Precisa de Você



ATENÇÃO!



SOMOS UMA FAMÍLIA DE MAIS OU MENOS 600.000 (SEISCENTOS MIL), ENTRE ATIVOS, INATIVOS E PENSIONISTAS, ISSO MULTIPLICADO POR 3 (TRÊS) É = (IGUAL) A 1.800.000 (HUM MILHÃO E OITOCENTOS MIL) ASSINATURAS, É MAIS DO QUE SUFICIENTE PARA EXIGIRMOS O CUMPRIMENTO DE UMA LEI.



Abaixo-Assinado N° 1


MEDIDA PROVISÓRIA 2215/2001.


LEI DE REMUNERAÇÃO DOS MILITARES:

DESTINATÁRIO: PRESIDENTE DO CONGRESSO NACIONAL

>> Assine Agora <<

 http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/4335

Abaixo-Assinado N° 2


Aplicação do artigo 24 do decreto 667/69

DESTINATÁRIO: PRESIDENTA DA REPUBLICA

>> Assine Agora <<

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/9089

Abaixo-Assinado N° 3

PEC 352 - REAL DIREITO DOS MILITARES DAS FFAA.

DESTINATÁRIO: PRESIDENTE DO SENADO FEDERAL

>> Assine Agora <<

 http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/5866



É INTOLERÁVEL QUE NOS MILITARES, REPRESENTANTE DAS FORÇAS ARMADA, QUE TANTO ATUAMOS EM NOME DO INTERESSE PUBLICO E DA CONSECUÇÃO DO BEM COMUM, SEJAMOS TÃO AVILTADOS EM NOSSOS DIREITOS, PELA PROPRIA INSTITUIÇÃO QUE JURAMOS A DEFENDER.



CLICK E ASSINEM



PARENTES E AMIGOS PODEM E DEVEM ASSINAR.



CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988:



Título II, Capítulo I.º



Direitos e Deveres Individuais e Coletivos



1. Todos os cidadãos têm o direito de apresentar, individual ou coletivamente, aos órgãos de soberania, aos órgãos de governo próprio ou a quaisquer autoridades petições, representações, reclamações ou queixas para defesa de seus direitos, da Constituição, das leis ou do interesse geral e, bem assim, o direito de serem informados, em prazo razoável, sobre o resultado da respectiva apreciação.



É dever da União, dar aos Militares e Pensionistas das Forças Armadas, um tratamento de igualdade com as demais carreiras do funcionalismo.



Conto com o apoio de todos para todos.



Pátria!



“A audácia dos maus se alimenta da covardia e da omissão dos bons”.



Ps: O bizu é Divulgarmos em todas as redes sociais, pedindo que assinem, vale salientar que o objetivo é atingir 100.000 (cem mil) Assinaturas e Protocolarmos na Presidência da Republica.






Coronel PMRJ que pede demissão x Dilma, a Comandante-em-Chefe.

Recentemente, em atitude elogiavel, o coronel Duarte, chefe da Policia Militar do Rio de Janeiro pediu demissão, alega que não se sente mais a vontade no cargo, pois se equivocou ao escolher um de seus auxiliares, o coronel Claudio Luis Silva, suspeito de participar do assassinato da juíza Patrícia Acyoli. O agora ex-comandante da PMRJ diz que assume a responsabilidade pelo equívoco.



Veja abaixo parte da carta de demissão:

Dirijo-me a V. Exa para solicitar exoneração do cargo de Comandante Geral da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. O motivo de fazê-lo se fundamenta na necessidade de não deixar nenhum espaço para dúvidas quanto a minha responsabilidade no processo de escolha dos Comandantes, Chefes e Diretores da Corporação, preservando, de quaisquer acusações injustas, as pessoas que me confiaram a nobre missão que assumi comprometido com a honra, e agora deixo, norteando tal decisão neste mesmo imperativo de valor. Sobre o caso particular que me impõe esta decisão, o indiciamento do Tenente Coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira no homicídio da juíza Patrícia Acyoli, e sua consequente prisão temporária, devo esclarecer à população do Estado do Rio de Janeiro que a escolha do seu nome, como o de cada um que comanda Unidades da PM, não pode ser atribuída a nenhuma pessoa a não ser a mim (...).



A Comandante-em-Chefe das forças armadas e da nação brasileira erra repetidamente ao escolher ministros corruptos, que desviam direta ou indiretamente enormes quantias de dinheiro, mas não tem a sinceridade de fazer como fez o honrado comandante da PMRJ, assumir a responsabilidade pelas escolhas equivocadas.



Ministros que caíram no governo Dilma:

Antonio Palocci (Casa Civil) - Enriquecimento ilícito e tráfico de influência.

Alfredo Nascimento (Transportes) - Esquema de corrupção no DENIT.

Wagner Rossi (Agricultura) - Pagamento ilícito de R$ 8.000.000 de reais, propinas etc.

Pedro Novais (Turismo) - R$ 4.400.000 de reais num esquema de corrupção centrado no Amapá.

Mario Negromonte - Propina de R$ 30.000 em troca de apoio partidário.

Nelson Jobim - Fala a verdade.

Orlando Silva (Esporte) - Desvios de mais de R$ 40.000.000 de reais só no último ano.



Será que o povo é cego. Ou enxerga pela lente do bolsa família?
 
Do site Militar http://socmilitar.hojenaweb.com

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Sem reajuste, juízes brigam por auxílio para moradia

Interessante o STF julga que não existe isonomia, mas a Ajufe pede isonomia com os demais juízes.

Talvez para o Judiciário ainda exista isonomia. Essa é nossa JUSTIÇA, julgando em proveito próprio.








No mesmo dia em que coordenou o início de uma operação padrão para pressionar o governo por aumento de salários, a Ajufe (Associação dos Juízes Federais) retomou na Justiça um pedido pelo pagamento de auxílio-moradia aos magistrados federais.



No último dia 17, o presidente da entidade, Gabriel Wedy, entrou com um recurso no CNJ (Conselho Nacional de Justiça) reivindicando em nome da categoria o pagamento de auxílio-moradia para todos os juízes federais.



Conselheiro do CNJ apoia greve dos magistrados

Conselho pede que União denuncie juízes que paralisarem ações

Ministros do STF criticam 'operação-padrão' dos juízes federais

Presidente do STF critica juízes federais por boicote ao governo



O pedido foi visto como uma manobra para compensar, via decisão do CNJ, a dificuldade em emplacar um aumento de salário, que tramita no Congresso vinculado ao reajuste de outras categorias do Judiciário, com impacto orçamentário previsto em R$ 7,7 bilhões.



Na ação, ele sugere que o valor do benefício seja igual ao pago aos juízes auxiliares do STF (Supremo Tribunal Federal), de R$ 3.384,00 --cerca de 14% do salário de um juiz federal.



Procurado pela Folha, Wedy disse que houve uma coincidência entre a data do início da operação padrão e a da e ntrada do recurso no CNJ.



Ele afirmou que o auxílio-moradia está previsto na Lei Orgânica do Judiciário e que é um direito baseado na isonomia entre os magistrados.
 
da Folha.com

Impostômetro deve chegar a R$ 1,2 tri no domingo, estimam entidades

 O Impostômetro, ferramenta que registra quanto o brasileiro paga de imposto aos governos federal, estadual e municipal, deve atingir a marca de R$ 1,2 trilhão neste domingo (30), segundo estimativa do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário) e da ACSP (Associação Comercial de São Paulo).


Em 2010, o R$ 1,2 trilhão só foi alcançado 45 dias mais tarde, em 14 de dezembro. Nos anos anteriores a marca não foi atingida.

Para o ano todo, a previsão das entidades é de que seja arrecadado R$ 1,4 trilhão em tributos.

O Impostômetro foi inaugurado em abril de 2005 e pode ser acompanhado pelo site da ferramenta.

Fonte: Folha Online - 27/10/2011

Juiz critica magistratura encastelada que não ouve a voz das ruasPor Átila Andrade de Castro,

Após décadas de poder, alguns dos mais conhecidos tiranos do nosso tempo foram expulsos de seus palácios situados no norte da África pela força do movimento popular.

No Cairo, em Trípoli e em Túnis a população se deu conta de que não se deve dar poder a quem não oferece contraprestação. Iniciaram com certa timidez a revolução que ficou conhecida como Primavera Árabe e o movimento foi tomando corpo, forma e substância, atravessando fronteiras e mudando uma realidade que parecia imutável.

Enquanto isso, encastelados em seus palácios, os ditadores de plantão faziam ouvidos moucos à voz das ruas. Diziam que era conspiração de potências ocidentais, que a suposta revolta não passava de movimentos isolados e que não abririam mão do poder que consideravam legítimo. Continuaram a fazer refeições em talheres de ouro, a viajar em aviões particulares intercontinentais e a desfrutar de todo o luxo e conforto que o poder proporciona.

Não ouviram o alerta. Não negociaram e nem se dispuseram a abrir mão de privilégios e nem a oferecer serviços decentes aos seus “súditos”. O resultado todo mundo conhece. Foram todos banidos de suas fortalezas, expulsos, presos e mortos.

Qual a semelhança de tal momento histórico com o Judiciário brasileiro?

É visível a insatisfação de todos os segmentos da sociedade com a justiça brasileira. O serviço é precário, ineficiente, artesanal, não oferece segurança jurídica e é excessivamente aleatório, tanto em termos de conteúdo decisório quanto em termos de procedimento, pois está sempre sujeito à idiossincrasia do juiz que receber a causa.

Junte-se a isso a absoluta falta de investimentos de peso em tecnologia e em treinamento de servidores. O resultado todo mundo conhece: justiça lenta – e, portanto, frequentemente injusta -, cara e improdutiva.

A sociedade já percebeu a gravidade do problema. Não há país submetido a padrões ocidentais de civilização que consiga crescer e progredir e nem sociedade que se mantenha saudável com o serviço prestado pelo judiciário de hoje.

Enquanto isso, onde estão os membros do poder, que poderiam - e deveriam - mudar este estado de coisas?

Muitos estão em seus “castelos”, lutando por frações de poder, medalhas, privilégios e títulos. Não ouvem a voz das ruas e nem se mostram permeáveis à crítica externa e às demandas sociais.

Pelo contrário, atribuem tudo isso a conspiradores anônimos e silenciosos que desejam enfraquecer o poder. Também não admitem jamais abrir mão de luxos que atualmente não se justificam, como duas férias anuais.

Chega-se ao absurdo de se promover silenciosamente uma disputa surda entre juizes de segundo grau da justiça estadual e de segmentos da justiça federal pelo “privilégio” de usar a denominação “desembargador”, como se o tratamento dispensado ao juiz fosse lhe conferir sabedoria e garantir a prestação jurisdicional célere que a população tanto deseja.

Também não se vê por parte de associações que representam os juízes propostas de modernização, de incorporação de tecnologias, de simplificação e otimização de procedimentos e rotinas de trabalho para atingir padrões mínimos de qualidade e eficiência. Continuamos, como há séculos, reproduzindo modelos de decisão e de termos de audiência que já eram usados nos tempos da inquisição.

Enfim, fica muito claro que se a autocrítica não ocorrer e as mudanças tão legítimas desejadas pela nossa sociedade não forem implementadas de dentro para fora, virão certamente de fora para dentro. O CNJ é o primeiro exemplo disso.

Por certo, se continuarmos surdos e inertes, alheios ao que acontece à nossa volta, seremos, ao final, expulsos de nossos castelos, sem nossos tão desejados títulos, comendas e condecorações.

Espero apenas que também não sejamos mortos como animais e enterrados em cova rasa no deserto.

Que antes do fim a autocrítica tome conta de nosso meio e sociedade tenha enfim o Poder Judiciário que merece!


(*) Artigo publicado originalmente em blogs de Minas Gerais; reproduzido pelo jornal Folha de S. Paulo; e inserido no clipping interno do CNJ.


Fonte: Espaço Vital - www.espacovital.com.br - 28/10/2011

Quadrilha de agiotas tinha até uma 'sala do pânico'Polícia prende 15 por agiotagem, que além dos juros exorbitantes, faziam ameaças

É interessante para não dizer cômico. Agiotagem esta solta no Brasil de Norte a sul de Leste a Oeste e desarticulam apenas uma no Rio. Éssa é boa.
E o restante do Brasil continua na mesma????
Reportagem para Inglês ver mesmo.


Rio - Um esquema de agiotagem com com juros exorbitantes e ameaças. A quadrilha desarticulada nesta quinta-feira pela Polícia Civil tinha até escritório exclusivo para ameaçar vítimas. Era uma espécie de ‘sala do pânico’, com paredes e teto revestidos de material especial para abafar o som dos gritos. Quinze pessoas foram presas, sendo dois policiais militares. Seis ainda estão foragidas. O grupo agia em oito municípios — entre capital, Baixada e região metropolitana — com mais de mil clientes e cobrando taxas de até 48% nos empréstimos.



Acusados presos escondem os rostos ao serem apresentados na Academia de Polícia Civil. Grupo agia em oito municípios em todo o estado
Foto: Fabio Gonçalves / Agência O Dia



Além do escritório remeter ao filme ‘Quarto do Pânico’ — no qual família ficou refém de bandidos —, o cinema serviu também de inspiração para o nome da operação, batizada de Shylock por causa do nome do personagem de um agiota no filme ‘O Mercador de Veneza’. Ao todo, foram expedidos 18 mandados de prisão e 12 foram cumpridos. Três pessoas foram presas em flagrante em casas e escritórios do esquema. O lucro mensal do grupo, que agia há pelo menos cinco anos, oscilava entre R$ 800 mil e R$ 1 milhão por mês: cerca de R$ 12 milhões por ano.



A ‘Sala do Medo’ ficava no Centro de Niterói. O imóvel não tinha janela nem muitos móveis, apenas um telefone, onde eram feitas as ameaças, muitas vezes, de morte. “Parecia um estúdio musical. A intenção era de que os vizinhos não escutassem os gritos”, revelou o delegado Marcos André Buss, adjunto da 19ª DP (Tijuca). Não foi detectado caso de homicídio envolvendo o grupo, mas as investigações vão continuar.



Cobradores dos agiotas iam a casas de clientes e levaram eletrodomésticos e bens pessoais como parte da dívida. Um deles fez até música com ameaças.



Mulher pegou R$ 290 e teve que pagar total de R$ 2.304



Foram mais de 8 meses de investigações, iniciadas na 19ª DP (Tijuca), bairro onde foi detectada a ação mais intensa do bando. As vítimas chegavam até os agiotas por panfletos entregues nas ruas. Após análise de crédito, elas recebiam o empréstimo e começava a pagar cada mês com juros mais altos.



“Se a vítima tentava quitar a dívida, os agiotas aumentavam os juros”, revelou o delegado titular da 19ªDP, Nilton Fabiano Lessa. Em um dos casos, uma senhora que pediu R$ 290 de empréstimo teve que pagar durante dois anos R$ 96 por mês, totalizando R$ 2.304.



“Ficamos impressionados com a alta movimentação financeira”, revelou a chefe da Polícia Civil, Martha Rocha. A quadrilha estava expandindo seus escritórios para Natal, no Rio Grande do Norte, e já atuava também em Juiz de Fora, em Minas Gerais.



Os presos irão responder por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, crime contra a economia popular e extorsão. Policiais de 31 delegacias, entre especializadas e distritais, e duas equipes da Corregedoria Geral Unificada (CGU) participam da ação.



R$ 3 milhões embaixo da cama



O suspeito de chefiar o bando, Clenilson Gomes, foi preso em um de seus apartamentos, na Barra, com cerca de R$ 3 milhões embaixo da cama. Ele usaria imóveis, estacionamentos e até uma escola para lavar dinheiro.







Na casa confortável onde casal foi detido foram apreendidos dois carros, dois cofres, joias e documentos
Foto: Osvaldo Praddo / Agência O Dia



Na Rua Baltazar Pessoas, São Gonçalo, Saulo José dos Santos e Glícia de Almeida foram presos em casa duplex com piscina e churrasqueira. Picape blindada e Corolla foram encontrados no local. Dois carros, dois cofres, joias e documentos foram apreendidos.



Trechos de ameaças por telefone



Agiota: “Pegou tem que pagar senão o bonde brota. Seu tempo passou, ‘nós vai’ pedalar sua porta. Nunca confunda idiota com agiota.”



Agiota: “Fica de gracinha, pego seu filho e arrebento! Até sexta você arruma quanto?”



Devedor: “Como é que a gente pode fazer acordo pra pagar o dinheiro?”



Reportagem de Fernanda Alves e Marcello Victor



Fonte: O Dia Online - 28/10/2011

Forças Armadas... Para quê?

Volta e meia, entre rodas de debates, artigos jornalísticos e discussões acadêmicas, surge uma questão recorrente que, embora esquecida diante dos recentes acontecimentos ocorridos na cidade do Rio de Janeiro, é feita: para que o Brasil precisa de Forças Armadas? Não estaria o país utilizando recursos para manter uma instituição cuja utilidade é aparentemente questionável em virtude de não termos uma ameaça iminente de conflito? Guerra? Onde? Forças Armadas... Para Quê?

As pessoas que pensam desta maneira certamente não representam de maneira alguma a opinião da população brasileira. São elementos que possuem objetivos obscuros e que procuram de toda a forma denegrir a imagem de nossos militares. Pessoas que ao menor sinal de qualquer acontecimento negativo que envolva o Exército, a Marinha e a Força Aérea passam a utilizá-lo para tentar justificar seu posicionamento. O exemplo da imprensa é o mais marcante: tudo o que os militares fazem de benéfico ganha pouco ou nenhum espaço na mídia, ao passo que o mínimo acontecimento negativo toma proporções nacionais, como se a presença dos cidadãos fardados fosse algo maléfico por si mesmo. Porém, apesar do ataque maciço de grupos diversos como os militantes de organizações de Direitos Humanos, ONGs "humanitárias", correntes políticas, artistas, intelectuais e a imprensa em geral, as Forças Armadas continuam estando, de maneira permanente, entre as duas instituições de maior prestígio nacional.


A atitude hostil destes elementos não se resume apenas às críticas diretas, e também atinge todas as pessoas que manifestam, de uma maneira ou de outra, o mais mínimo pensamento que se alinhe com aqueles que se identificam com os valores e a cultura militar. Podemos verificar tal fato ao observarmos o que aconteceu com o antigo técnico da Seleção Brasileira de futebol, Dunga. Em suas entrevistas não foram raras as vezes que este cidadão demonstrou e explicitou valores como patriotismo, comprometimento, lealdade e coragem física e moral na condução da equipe. Mesmo tendo tido sucessos flagrantes em sua passagem, especialmente se compararmos o que acontece com o atual treinador, sempre foi hostilizado. Bastou um jogo perdido e pronto. Todo o seu trabalho foi jogado numa latrina e ele acabou sendo demonizado de todas as maneiras. Qualquer semelhança não é mera coincidência.

O Brasil precisa de Forças Armadas? A resposta depende daquele que responde a indagação. Caso a questão seja dirigida a um jornalista, um filósofo, um acadêmico, artista ou presidente de ONG, na grande maioria das vezes a resposta será relutante e tendendo para a negativa. Em contrapartida, se a mesma pergunta for dirigida a um ribeirinho da Amazônia, um morador de áreas sujeitas a catástofres, aos habitantes das fronteiras, um nordestino em pleno semi-árido, ou do cidadão comum que anda pelas ruas e vive na realidade (não no mundo imaginário da intelectualidade) a resposta será um seguro e enfático sim.

São estas pessoas que sentem na pele a importância dos homens e mulheres de farda que não medem esforços para, diuturnamente, levar-lhes a água em época de seca, o médico, o dentista e mesmo a educação em áreas aonde nenhum outro ente estatal chega, mesmo quando estruturas de órgãos governamentais são previstas e muitas vezes construídas, como é o caso do Programa Calha Norte.

O brasileiro, o povo brasileiro, sabe que quando vierem as enchentes, quando os morros deslizarem, quando a violência atingir níveis de terrorismo ou quando a situação dos crimes nas fronteiras se tornarem alarmantes podem confiar nos seus soldados. Ele sabe e tem a certeza de que desvios de caráter roubo de donativos, tentativas de suborno ou qualquer outro procedimento imoral ou criminoso não irão acontecer e se acontecerem, não haverá impunidade; que pelo menos estes desvios serão investigados e, caso comprovada a culpa ou envolvimento de algum integrante das Forças Armadas, estes serão extirpados da instituição, pois os militares não toleram o comportamento corrupto e imoral, pois cultuam a verdade, a coragem, a disciplina, a honestidade e a honra, valores que fazem parte da formação cultural do brasileiro, tão corrompidos por campanhas artísticas e ideológicas.

A população sabe que por trás de cada soldado, de cada atitude, não estão envolvidos interesses políticos, pessoais ou tentativa de autopromoção. Os homens que estão ali, vigilantes, garantindo a sua segurança, o seu amparo, a sua água, não o fazem com o intuito de angariar votos ou receber qualquer tipo de recompensa ou pagamento. Os homens e mulheres que estão ali, incansáveis, muitas vezes sem ter mínimas condições materiais ou financeiras não estão ligados a nada que não seja a simples vontade de servir, de auxiliar, de impor a segurança e de levar aos mais distantes rincões do Brasil não este ou outro governo, mas a presença do Estado.

São muito mais que apenas servidores militares: representam talvez a última chama de esperança que se pode ter para o futuro. Estão ali porque empenharam sua palavra em solene juramento e o honram, pois sabem que as palavras proferidas diante do tremulante Pavilhão Nacional não é uma mera formalidade que se perde com o tempo, como observamos em formaturas de universidades e outras carreiras. Ali, se empenha a vida pelo país, quer seja para a guerra, quer seja para a paz, sem escolher o dia, a hora ou o local.

O brasileiro sabe que quando a situação complica, quando tudo parece perdido, lá estarão os seus militares, prontos e dispostos a atuarem para fazer frente a qualquer ameaça. Comprovamos isto nas operações Arcanjos desencadeada no Complexo do Alemão. Nesta operação, apesar de estar envolvidos em um estado de normalidade que limita o seu poder de atuação, os militares demonstraram que estão sim preparados para enfrentar esta e qualquer tipo de situação, mesmo quando os "entendidos" insistem em dizer que o soldado é preparado para a guerra, que irá matar indiscriminadamente e promover a violência gratuita.


O que se viu foi uma atitude de extremo profissionalismo e preparo, fruto de soldados altamente adestrados e comandantes dotados de liderança e conhecimento, algo cada vez mais raro nos órgãos de segurança pública. Se a operação não acabar com o crime na região, certamente não será pela vontade dos militares, mas por interesses obscuros que certamente impossibilitaram o emprego da Força como deveria ser feito, ou seja, como último argumento do Estado, para efetivamente resolver a situação.

Mesmo assim, ao receber a missão, a tropa foi preparada e empregada, e antes que se questione a validade ou não do seu emprego numa situação de restrição jurídica, é preciso que se ressalte que algo deveria ser feito, que a situação no Rio de Janeiro não poderia permanecer como estava, e que se a Nação julgou que esta era a maneira de se empregar a força militar, então assim ela seria empregada. Quem mais poderia tomar tal território sem envolver-se em corrupção, propina, ou aos "arregos" que não as Forças Armadas? Quem mais poderia levar a lei e a ordem a uma área onde a corrupção moral está completamente consolidada pela falta do Estado, onde um verdadeiro poder paralelo estava instaurado e consolidado de maneira firme e ao mesmo tempo solidária? Que outra instituição poderia abrir mão de diárias, do convívio familiar, do conforto e da segurança de seus integrantes para honrar um juramento que para muitos não passa de palavras ao vento?

Não fosse suficiente a confiança que a população tem nos seus soldados, as Forças Armadas são hoje talvez o último baluarte de resistência dos valores éticos e morais que fazem parte não apenas da cultura militar, mas da própria cultura brasileira, posto que aquela seja reflexo desta, mesmo que nos dias atuais tantas campanhas sejam feitas para tentar se provar o contrário.

A confiança e credibilidade que possuem os homens de farda não se restringe à competência de seus integrantes, à visão estratégica de seus comandantes e à certeza de que sua missão será cumprida. Acima disto, está a certeza de que dentro dos quartéis valores intangíveis ainda são cultuados, que o patriotismo, a honra e o valor da palavra e do exemplo ainda são respeitados, onde a camaradagem, o respeito, a verdade e a responsabilidade são indissociáveis da alma do militar. São lugares onde estes são ensinados, cultuados e praticados dia após dia, onde o mérito sobrepuja o apadrinhamento, onde um menino humilde pode sonhar em ser um General - de Exército pelo seu esforço, caráter e mérito.

Não é apenas a ameaça externa (que existe e é bem real embora os "pensadores" insistem em dizer o contrário) que justifica a presença e a existência das Forças Armadas. Elas representam a verdadeira essência cultural e moral do brasileiro que ainda resiste como uma espécie de memória viva e acessível, uma lembrança perene àqueles que insistem em modificar o comportamento, a cultura, a ética e a moralidade do brasileiro (com sucesso em virtualmente todos os setores, inclusive a Igreja) como uma luz de vela que ilumina as trevas que embora não deixe o ambiente totalmente claro, segue guiando os caminhos através da escuridão.


Talvez as pessoas que queiram o fim das Forças Armadas, que tentam denegrir sua imagem, que insistem em questionar seu propósito sejam aquelas que já corromperam moralmente virtualmente toda a sociedade e tem os militares como uma barreira inexpugnável. Talvez estas pessoas tenham receio que a população um dia realmente acorde e vá buscar nos seus soldados, guardiões fiéis das verdadeiras características de nossa população, a inspiração para despertarem e darem um basta na contínua tentativa de perversão que vivemos dia após dia.

O Exército e as demais Forças Singulares estarão sempre prontos para responder ao chamado do Estado Brasileiro, da Nação e do Povo, quer seja para fazer frente a uma ameaça externa, uma calamidade pública, um desastre natural, ou a falência dos Órgãos de Segurança Pública mercê de qualquer tipo de articulação, pois além do dever de servir e do espírito de cumprimento de missão, os Comandantes e Chefes militares estão atentos a todos os aspectos envolvidos no emprego da Força.

Criticar, denegrir e questionar este ou aquele aspecto da utilização dos militares é fácil quando se está confortavelmente fora da área de atuação ou desprovido de qualquer compromisso para com a Nação e o Povo brasileiro. Do sofá da residência com segurança particular, localizada em condomínio fechado é muito fácil criticar. Difícil é explicar o porquê de não empregar as Forças Armadas quando o cidadão está aterrorizado e virtualmente sitiado, na incerteza se vai acordar com vida no dia seguinte.

Das profundezas da Floresta Amazônica ao frio gélido do vento minuano gaúcho, os militares estarão sempre vigiando as terras, as águas e os céus do país, enfrentando todo tipo de privação de ordem material e financeira, eternos sentinelas prontos a serem empregados em qualquer atividade, quer seja no combate ferrenho e mortal contra criminosos ou invasores externo, quer seja levando esperança às populações abandonadas. Os soldados brasileiros, cidadãos fardados, não deixaram de atender o chamado do dever, onde o sentimento da missão cumprida ou um simples "muito obrigado" é recompensa muito mais digna e gratificante do que a riqueza material ou cerimônias pomposas realizadas em palácios. É este sentimento que os torna diferenciados e depositários das mais profundas esperanças do povo brasileiro.

E ainda existem pessoas que insistem em perguntar: Forças Armadas: Para Quê”?


O Brasil precisa saber: As nossas Forças Armadas estão com os equipamentos bélicos velhos, sucateados, sem condições de garantir a defesa do nosso território. As FFAA estão sendo humilhada com soldos ínfimos, desde o governo FHC e LULA, esta vergonhosa situação persiste, no governo Dilma, porque o Brasil é o ÚNICO País do mundo, cuja presidente ODEIA, DESPREZA E QUER DIZIMAR, a única instituição capaz de impedir a obsessão da GUERRILHEIRA DILMA: transformar nosso País numa imensa CUBA.

Assistam ao Vídeo:


"E ainda existem pessoas que insistem em perguntar: Forças Armadas: Para Quê”?

Resposta óbvia: Para expurgar a quadrilha que está instalada no poder.

... E assim, já somos uma republiqueta dos “cumpanheiros”, onde eles roubam e nunca vão presos. E descaradamente afirmam não ter dinheiro para reajustar nossos soldos. Neste estágio, somente a intervenção dos Generais (OPERAÇÃO CAÇA LADRÃO), impedirão o caos total, ou seja, a oficialização da “ditadura do proletariado”. Acorda! BRASIL!

“Libertas quae sera tamen”

Sarides Freitas




Tergiversação, conduta permanente dos descompromissados com a honra.


AS FORÇAS ARMADAS TÊM O DEVER SAGRADO DE IMPEDIR,

A QUALQUER CUSTO, A IMPLANTAÇÃO DO COMUNISMO NO BRASIL.

QUANDO O POVO CLAMAR POR SOCORRO, AS FFAA CUMPRIRÃO O SAGRADO DEVER.


Todo brasileiro que tenha recursos para isso está autorizado e solicitado desde já a reproduzir este aviso e fazê-lo publicar no órgão de mídia de sua preferência, assim como a divulgá-lo por quaisquer outros meios ao seu alcance. Preservado o Teor e a Fonte.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Chávez anuncia reajuste de 50% para os militares

E chamam ele de louco. Na minha opinião LOUCO de esperto.

A presidenta poderia seguir o exemplo do companheiro.
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou um aumento de 50% para os militares. Segundo ele, o reajuste será concedido porque “os militares merecem”. O aumento será retroativo a 1º de setembro deste ano. O presidente lembrou que durante “anos” os salários dos militares ficaram congelados.

Usando uniforme militar, Chávez destacou que se nos Estados Unidos e na Europa os salários estão sendo reduzidos, na Venezuela a situação é oposta. "Portanto, devemos agradecer a Deus e cuidar do que estamos fazendo aqui [o movimento que ele chama de Revolução Bolivariana]".

Na cerimônia em que anunciou o reajuste para os militares, Chávez entregou apartamentos aos oficiais. O presidente aproveitou a solenidade para ressaltar que intensificará a campanha política para conquistar mais um mandato em outubro de 2012. Reafirmou que não aceitará as tentativas de “desestabilização”.

No discurso, Chávez criticou as operações militares na Líbia coordenadas pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Para ele, são ações terroristas que levaram à morte de Muammar Khadafi, ex-presidente líbio. (ABr)

Fonte: http://www.diarioonline.com.br/noticia-172829-chavez-anuncia-reajuste-de-50-porcento-para-os-militares.html

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

PARA ROUBAR TEM DINHEIRO PARA AUMENTO NÃO....

TCU apura superfaturamento


de R$ 33 milhões

Os pregões eletrônicos no Ministério do Esporte viraram um mistério para o Tribunal de Contas da União. A pasta pagou pelo menos R$ 33 milhões a mais em duas licitações recentes, com sobrepreço de R$ 13 milhões para uma empresa americana e R$ 20 milhões para outra, brasileira. O TCU já abriu cinco processos de investigação contra o ministério somente este ano. Um deles corre em segredo de Justiça.


ESSE PT BRASILEIRO É MÃO FINA MESMO

ALGUÉM VIU O STF MANIFESTAR-SE???????

domingo, 23 de outubro de 2011

General Tíbio. Ameaça. Sem Reajuste.

As quadrilhas que o Lula instalou no início do seu desgoverno, até o presente momento, estão fazendo o combinado: ASSALTAM OS COFRES PÚBLICOS ACINTOSAMENTE, IMPUNEMENTE. Cúmplices: STF, Ministério Público, Congresso Nacional, Povo. Povo? Sim! Todos nós!
O que não se espera é que os generais justifiquem A NÃO INTERVENÇÃO, para restabelecer a normalidade democrática, com a desculpa que o Lula usou inúmeras vezes: não sei de nada, não vi...

Se existe um general cego, que nada vê... Melhor não tê-lo. Os demais generais vêem? Permitir tanto roubo às escâncaras, não é só omissão. É no mínimo tibieza ou cumplicidade, logo alta traição. Que haja um traidor, já será algo inusitado. Todos! Impossível! E então? O que sucede com nossos magnânimos generais? Estão sob ameaças? Todos? Nós... A integridade do País? Tais quais Iraque, Síria, Afeganistão? Não sei o que se passa, mas paira sobre nós, algo terrível, medonho, devastador. Prefiro acreditar nesta catastrófica hipótese, a aceitar que nossos generais medraram a ideologia dos apátridas seguidores de Gramsci. O momento é delicado, urge um posicionamento das FFAA. Não há lugar para Comando TÍBIO. “saber o que é certo e não fazê-lo é a pior covardia”. Confúcio.

Os que honram o Sagrado Juramento aguardam que de algum lugar, de alguém, surja o grito libertário: “siga-me os que forem brasileiros”. Luís Alves de Lima e Silva.


Antes que seja tarde!



A presidente jurou cumprir e fazer cumprir a Constituição. Graduada em Pseudologia não cumpre o juramento.


O Congresso Nacional deve ser Guardião da Constituição. Corrompido, a ignora.


O Supremo Tribunal Federal é o Guardião da Constituição, a serviço do Executivo, NÃO A RESPEITA

Procurador Geral da República. IDEM

Ministério Público. IDEM.


Forças Armadas. Guardiãs da Constituição. Não se sabe a serviço de quem ou do que? TERGIVERSAM.


... E assim, já somos uma republiqueta dos cumpanheiros, onde eles roubam e nunca vão presos. E descaradamente afirmam não ter dinheiro para reajustar nossos soldos. Neste estágio, somente a intervenção dos Generais impedirão o caos total, ou seja, a oficialização da ditadura do proletariado. Acorda! General!

“Libertas quae sera tamem”

Sarides Freitas

http://twitter.com/MilitarSarides


Tergiversação, conduta permanente dos descompromissados com a honra.



AS FORÇAS ARMADAS TÊM O DEVER SAGRADO DE IMPEDIR,


A QUALQUER CUSTO, A IMPLANTAÇÃO DO COMUNISMO NO BRASIL.


Todo brasileiro que tenha recursos para isso está autorizado e solicitado desde já a reproduzir este aviso e fazê-lo publicar no órgão de mídia de sua preferência, assim como a divulgá-lo por quaisquer outros meios ao seu alcance. Preservado o Teor e a Fonte.

MILITARES SUBORDINADOS A 2ªRM-2ªDE;

MILITARES SUBORDINADOS A 2ªRM-2ªDE;






OS CMT DAS OM SUBORDINADAS A ESTA REGIÃO TIVERAM ORDEM EXPRESSA DE NÃO ASSINAR REENGANJAMENTO DE MILITARES DE CARREIRA OU TEMPORÁRIO QUE ESTAM RESPONDENDO A IPM OU PROCESSADOS CRIMINAIS. E PIOR, TAL ORDEM ILEGAL FOI DADA INFORMALMENTE, SOB PENA DE EXONERAÇÃO DAQUELES CMT QUE NÃO ACATAREM.

NA GUARNIÇÃO DE PINDAMONHANGABA-SP JÁ SÃO DOIS CASOS DE MILITARES DE CARREIRA QUE JÁ ESTAM BUSCANDO SEUS DIREITOS NA JUSTIÇA.





RESPOSTA:





Prorrogação de tempo de serviço é ato vinculado, ou seja, o militar

preenchendo os requisitos da portaria que prevê os critérios de

avaliação não poderá ter seu serviço interrompido, não é admitida a

simples justificativa: "não é conveniente para o serviço". Não é um

ato discricionário do comandante. O militar que estiver respondendo a

IPM ou processos criminais gozam da tão falada presunção de inocência

e por tal motivo não poderão sofrer prejuízos administrativos,

inclusive, civis. O comandante terá que fundamentar a negativa do

reengajamento, e se ele colocar o motivos inadequados ou não

pertinentes, ou ilegais, ele poderão receber um MS (mandado de

segurança) nos peitos. Os comandantes terão o trabalho de negar o

reengajamento e depois terão o trabalho de mandar reincorporar os

militares, simples assim. Irá dar um pouco de trabalho, mas a partir

do momento em que eles perceberem que o pessoal já não está de

boboeira (embasado, como eles gostam de dizer) e procurando o poder

judiciário ,eles serão mais comedidos na execução das ordens ilegais.

Será que o comandante que tiver mais mandados de segurança contra si

será bem visto pelo comando ? Será que eles vão pagar para ver ?



FINAL, A MEDALHA DO PACIFICADOR É PARA QUEM, MESMO?



Se isto não é ato de bravura, o que é, então?






DESPACHO DECISÓRIO Nº 086/2011

Em 7 de junho de 2011.

PROCESSO: PO Nº 911319/09-A2/GCEx

ASSUNTO: Medalha do Pacificador com Palma

1º Sgt Av Ap (059162933-2) ADEMAR DO NASCIMENTO ALEXANDRE

1. Processo originário do Ofício nº 09.031-Sect, de 7 MAIO 09, da Base de Aviação de Taubaté - B Av T (Taubaté - SP), encaminhando proposta de concessão da Medalha do Pacificador com Palma ao 1º Sgt Av Ap (059162933-2) ADEMAR DO NASCIMENTO ALEXANDRE, servindo naquela Organização Militar (OM), por razões que especifica.

2. Considerando, preliminarmente, que o proposto:

a. em 27 JUL 06, durante a realização de um exercício por uma turma da B Av T na represa do Jaguari, situada na localidade de Jacareí - SP, ocorreu um acidente com um helicóptero do 2º Batalhão de Aviação do Exército - 2º B Av Ex (Taubaté - SP) que, devido a baixa altitude, perdeu a sustentação no ar, vindo a cair dentro da referida represa;

b. o militar em questão, à época integrando uma equipe constituída para prover a segurança da citada atividade de instrução e portando equipamento de mergulho, postado às margens da represa, deslocou-se com presteza para o local do sinistro, utilizando-se de um bote a motor, sendo informado pela tripulação que permanecia flutuando nas proximidades do local do acidente, que havia um militar (piloto) preso na cabine do helicóptero, o qual havia submergido;

c. ato contínuo, o militar em questão mergulhou nas águas da referida represa localizando a aeronave que ainda afundava e, no seu interior, o piloto que se encontrava inconsciente e atado aos sistemas de segurança e controle da aeronave;

d. adentrando pela porta traseira do helicóptero, o militar em questão alcançou o piloto e conseguiu retirá-lo pelo espaço existente entre os bancos, após liberá-lo de seus equipamentos que se encontravam enroscados nos controles de voo, nadando, em seguida, para a superfície;

e. após chegar à superfície, de imediato o proposto liberou o equipamento de mergulho para iniciar, ainda na água, as medidas de primeiros socorros, executando manobra de ventilação artificial, uma vez que o piloto aparentava sinais de parada respiratória, o qual voltou a respirar, sendo conduzido à margem da represa, agora, com o auxílio de outros militares que integravam a equipe de segurança; e

f. por fim, verifica-se que o sinistro ocorrido com a aeronave em tela foi apurado por intermédio de Inquérito Policial Militar (IPM), mandado instaurar com a Portaria nº 06.030 - Sect, de 1º AGO 06, do Comandante do 2º B Av Ex.

3. No mérito:

a. no que concerne à tempestividade do pleito em exame, a autoridade proponente reconhece, corretamente, que ocorreu o escoamento do prazo preconizado no art. 25, caput, das Normas para Concessão da Medalha do Pacificador, aprovadas com a Portaria nº 040, de 29 JAN 07, do Comandante do Exército, para apresentação da proposta, salientando, entretanto, que remanesce a possibilidade de concessão da referida comenda por iniciativa do Comandante do Exército, consoante o art. 25, parágrafo único, da mencionada Portaria nº 040, de 2007;

b. quanto à possibilidade de concessão da Medalha do Pacificador com Palma por iniciativa do Comandante do Exército, há que se analisar, neste contexto, se os demais requisitos exigidos no Decreto nº 4.207, de 23 ABR 02, que dispõe sobre a Medalha do Pacificador, foram

atendidos;

d. impende esclarecer, por oportuno, que consoante o art. 2º, caput e parágrafo único, do Decreto nº 4.207, de 2002, a Medalha do Pacificador com Palma será concedida aos militares e aos civis brasileiros que, em tempo de paz, no exercício de suas funções, bem como no cumprimento de missões de caráter militar, tenham se distinguido por atos pessoais de abnegação, coragem e bravura, com risco de vida, condições estas que deverão estar claramente comprovadas em procedimento investigatório (sindicância ou inquérito policial);

e. compulsando o IPM acostado à proposta em questão, verifica-se que o militar em tela participou do reconhecimento e do estabelecimento das medidas de segurança julgadas necessárias para a realização do mencionado exercício militar, bem como depreende-se que havia no local um bote, equipamento de mergulho autônomo e que os demais componentes da equipe de segurança estavam devidamente equipados, com o motor da embarcação ligado, prontos para serem empregados em

qualquer parte da represa;

f. o fato de ter acorrido com presteza ao local do sinistro, mergulhado utilizando equipamento e retirado um militar que se encontrava preso à aeronave submersa não caracteriza atos pessoais de abnegação, coragem e bravura, com risco de vida, porquanto as ações empreendidas estavam inseridas no protocolo previsto para a realização da referida atividade de instrução;

g. verifica-se que o militar em questão integrava uma equipe de segurança encarregada justamente de prover a segurança e, como em toda atividade militar, há permanente risco de vida, estando, assim, o militar, durante toda a sua carreira, convivendo diariamente com o perigo, seja nos treinamentos, na sua vida diária na caserna ou na guerra, considerando, ainda, no caso em exame, que o proposto possuía treinamento e equipamento para tal mister; e

h. por fim, as informações prestadas pelo Comando da B Av Ex, baseadas nas provas colhidas pelo procedimento apuratório à época instaurado (IPM), corroboram que a ação empreendida pelo militar em questão não atende aos requisitos básicos exigidos pela legislação pertinente para a concessão da Medalha do Pacificador com Palma, como acima anotado, em que pesem a demonstração de arrojo, dedicação, determinação e iniciativa no cumprimento da missão, o que evidencia um profissional preparado e perfeitamente ajustado à profissão das Armas.

4. Conclusão:

Dessa forma, da análise da proposta em exame, constata-se que restou suficientemente provado que a ação empreendida pelo militar em questão, embora evidencie arrojo, dedicação, determinação e iniciativa no cumprimento da missão, não se enquadra nas disposições do art. 2º, do Decreto nº 4.207, de 23 ABR 02, pelo que dou, concordando com a Secretaria-Geral do Exército, o seguinte

D E S P A C H O

a. INDEFERIDO. O pedido não atende às disposições do art. 2º, do Decreto nº 4.207, de 23 ABR 02.

b. Publique-se o presente despacho em Boletim do Exército e informe-se à Organização Militar do interessado, para as providências decorrentes.

c. Arquive-se o processo neste Gabinete.

Página 1 - Boletim do Exército n° 24, de 17 de junho de 2011.

SOMENTE PARA LEMBRA AUTORIDADES AGRACIADAS COM A MEDALHA DO PACIFICADOR
 
Estagiário acusa presidente do STJ de agressão verbal


Estudante de 24 anos foi demitido aos berros por Ari Pergendler em fila de caixa eletrônico e registrou queixa por 'injúria real'.

ESTADÃO

O céu amanheceu de brigadeiro para celebrar o Dia do Soldado na capital federal. Na solenidade de comemoração no Quartel General do Exército, na manhã desta quinta-feira (25), autoridades civis e militares foram condecoradas com a Medalha do Pacificador, honraria concedida às personalidades que se destacaram por relevantes serviços prestados ao Exército brasileiro. Entre os agraciados com a condecoração em Brasília, estava o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Ari Pargendler.

Estagiário acusa presidente do STJ de agressão verbal


Estudante de 24 anos foi demitido aos berros por Ari Pergendler em fila de caixa eletrônico e registrou queixa por 'injúria real'.

ESTADÃO





As articulações de Ideli


Gravações da polícia mostram que, quando estava no Ministério da Pesca, Ideli Salvatti negociou cargos no DNIT e lutou para manter um dirigente acusado de irregularidades. As conversas foram com o presidente local do PR, hoje preso por pedofilia

Isto É


Brasília - Os ministros da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, e de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, agraciados com a Medalha do Pacificador, durante comemoração do Dia do Soldado e solenidade em homenagem ao Marechal Luís Alves de Lima e Silva - o Duque de Caxias - Patrono do Exército e Pacificador da Pátria.


CONCLUSÃO:


O Exército, há muito tempo e cada vez mais, não é o de Caxias, é o dos oportunistas fardados.


Aos integrantes da comissão que escolhem os agraciados meus sinceros votos de NEGLIGÊNCIA.




quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Medida Provisória 2215/2001 (Lei de Remuneração dos Militares)

O medo de aderir aos abaixo-assinados que seguem.



É uma vergonha

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/4335

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/9089


http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/5866

SOLDADO QUATRO ESTRELAS BOTA A BOCA NO TROMBONE

O soldado João Dias, envolvido em vários escândalos que estão abalando as estruturas do Governo do Distrito Federal, resolveu disparar sua metralhadora , virou um general quatro estrelas e derrubou o Ministro do Esportes Orlando Silva, que será substituído em poucos dias, provavelmente pelo cacique do PC do B, Aldo Rebelo.

O soldado general está dando ” voz de prisão” a grandes patentes da política Federal e do DF. Após denuncia da Revista Eletrônica Quidnovi da existência de um aparelho repressor no coração da Capital Federal , na Península dos Ministros, as estruturas do poder estão cada vez mais abaladas. O soldado João Dias era freqüentador assíduo da “casa da maldade” e durante sua estada no Lago Sul, bairro nobre de Brasília, engordou seu dossiê contra os poderosos aliados Agnelo Queiroz e Tadeu Filipelli, bem como o secretário de Governo número 1, Paulo Tadeu. Todo o staff do governador Agnelo está sob a mira do soldado.

João Dias Ferreira é um dos protagonistas do volumoso processo que tramita na Justiça Federal que já tem pedido de prisão para o soldado apadrinhado por tubarões da política. Apesar da baixa patente, o soldado atua na Esplanada dos Ministérios como um general quatro estrelas e começa a mandar recados aos ex- “padrinhos”. Antes de cair nas mãos da Justiça, João Dias abre a boca no rotadecolisaoagnada.blogspot.com e denuncia ministros, o governador Agnelo, o vice Filipelli, deputados e senadores. O soldado promete derrubar as mais altas patentes do país, antes que seus superiores, na hierarquia militar lhe coloquem a mordaça. João Dias está com a prisão decretada, mas conta com habeas corpus para ainda fazer revelações bombásticas. O soldado, com extensa folha corrida, agora teme por sua vida. Sabe que uma das formas de se manter vivo é botando a boca no trombone.

O soldado, hoje foco principal dos holofotes da política no Planalto Central, transita no poder desde a gestão de Agnelo Queiroz como Ministro dos Esportes. João Dias, esportista, lutador de artes marciais, um campeão de Kung-Fu, de família humilde da cidade satélite de Sobradinho, deslumbrou-se com a vida palaciana.

Através de várias ONGs , movimentava muito dinheiro em operações para o então ministro dos Esportes Agnelo Queiroz, fazendo o caixa para a campanha do Governador do DF em 2010. Ali, como também revelou a Revista Quidnovi, começou o que a Justiça Federal batizou de Operação Kung-Fu, e posteriormente chamada de Operação Shaolin, recheada com assassinatos, desvio de verba pública, orgias sexuais envolvendo menores e muita corrupção.

O lutador de Kung Fu é praticamente o representante do governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz, no quartel general da QL 12, conjunto 4, casa 2, na Península dos Ministros. De posse das arapongagens, João Dias nomeia , cria cargos, remaneja comandos no GDF e mesmo, sem o poder da caneta, faz com que o governador e o vice-Tadeu Filipelli, assinem embaixo de suas decisões.





Foi no episódio do “Sudoeste Caboclo”, revelado mais uma vez pelo Quidnovi, que o soldado raso, com status de general ficou conhecido do público. Todas as lentes do Governo, da Justiça, e da população se viraram para o rapaz, morador da periferia do Plano Piloto, em mansão cinematográfica , adquirida com o dinheiro público, com carros importados na garagem.





Agora, João Dias já percebeu as manobras do Poder. Sabe que corre risco de vida. E, como soldado, quer morrer na batalha, atirando. Todos os dias, tem revelado em seu blog bombas que espalham o terror na Esplanada dos Ministérios e na Praça do Buriti.





O primeiro alvo foi o ministro dos Esportes Orlando Silva, que chegou da viagem a Europa, onde se apresentou timidamente em todas as entrevistas. Espremido de um lado pela FIFA, e visivelmente abandonado pela presidente Dilma Housseff, Orlando estava desconfortável toda vez que falava a imprensa e chegou em casa com péssimas notícias. João Dias derrubou o ministro dos Esportes fazendo uma bagunça no PC do B, denunciando militantes do Partido, entre eles Lene, assessora de Orlando Silva no ME, e o marido Julio Cesar, também do ministério, acusados de fazerem caixa para o partido e para o ministro.





Tudo isto não é novidade para a presidente Dilma Housseff que recebe diariamente relatórios da ABIN com informações sobre o processo da Operação Shaolin. Diante desta situação, Aldo Rabelo, procurado por Dilma, foi obrigado a abandonar Orlando e retomar as rédeas do Ministério dos Esportes, que é o único no Governo Dilma, nas mãos do PC do B. Aldo precisa manter o espaço de seu partido e nas próximas horas deve ser decidido quem ocupara a pasta vedete internacional do Governo Dilma pelo menos até 2016. Ao que tudo indica, será o próprio Aldo Rebelo que ficará à frente do Ministério, uma vez que seu ex-correligionário, Agnelo Queiroz, e Orlando Silva, tiveram desempenhos que, com certeza vão manchar a história do PC do B.





Enquanto isso, o Palácio do Buriti também estremece. O Ministério Público mais uma vez acompanha passo a passo, dia a dia o governo Agnelo/Filipelli . O Plano Piloto vai passar por turbulências mais uma vez. A população, atenta, mostra que não assiste calada os desmandos do Governo.





Agnelo Queiroz vem de longo tempo sob a mira do Ministério Público e parece que desta vez , a apenas 10 meses no Governo, não conseguirá sair do mar de atoleiro de corrupção que se alastra há mais de 10 anos no DF. Agnelo está refém das ações do passado e das nomeações que fez em seu Governo. A saída é desqualificar o soldado João Dias. Mas o rapaz está muito bem municiado para a luta com o Poder.

Reunião organizada pela CONFAMIL e FAMIL

Convite aos companheiros residentes em Brasília-DF, da reunião organizada pela CONFAMIL e FAMIL-DF com o Deputado Federal Jair Bolsonaro (participação confirmada), para definir e dar início de algumas ações em benefício da categoria e em defesa das Forças Armadas.






Data: 19/10/2011

Horário: 20 horas



Local: Auditório da Associação Comercial do Distrito Federal, no SCS

Convite para Reunião.....Não deixe de ir....REPASSE

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Trabalhadores garantem 9,9% da arrecadação federal

Trabalhadores garantem 9,9% da arrecadação federal, mais que o dobro dos 4,1% pagos pelas instituições financeiras, aponta estudo


BRASÍLIA - As distorções tributárias do País prejudicam a classe média, que contribui com mais impostos do que os bancos. Análise feita pelo Sindicato Nacional de Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco), e confirmada por especialistas, indica que os trabalhadores pagaram o equivalente a 9,9% da arrecadação federal somente com o recolhimento de Imposto de Renda ao longo de um ano. As entidades financeiras arcaram com menos da metade disso (4,1%), com o pagamento de quatro tributos.

"Os dados mostram a opção equivocada do governo brasileiro de tributar a renda em vez da riqueza e do patrimônio", avalia João Eloi Olenike, presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). A face mais nítida desta escolha, segundo o especialista, é a retenção de imposto de renda na fonte, ou seja, no salário do trabalhador.

"São poucos os países que, como o Brasil, não deixam as empresas e as pessoas formarem riqueza," afirmou. "Todos os tributaristas entendem que não está correto, era preciso tributar quem tem mais."

O Sindifisco analisou a arrecadação de impostos federais no período de setembro de 2010 a agosto deste ano. Neste período, as pessoas físicas pagaram um total de R$ 87,6 bilhões em Imposto de Renda, incluídos os valores retidos na fonte como rendimentos do trabalho.

No mesmo período, o sistema financeiro gastou apenas R$ 36,3 bilhões com o pagamento de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), contribuição para o PIS/Pasep, Cofins e Imposto de Renda.

Procuradas, a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) e a Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF) não se pronunciaram.

Motivo. Especialistas se dividem sobre as razões para a manutenção do que chamam de distorção tributária. Segundo o advogado tributarista Robson Maia, doutor pela PUC de São Paulo e professor do Instituto Brasileiro de Estudos Tributários, o Brasil precisa cobrar tributos equivalentes aos de outros países, para não perder investimentos.

Na avaliação de Olenike, do IBPT, a estrutura tributária tem relação com o poder de influência de bancos e instituições financeiras. "Se fosse em qualquer outro país, o governo já tinha caído, mas nós não temos essa vocação no Brasil, o povo é muito dócil e permite que o governo faça o que quer."

No seu estudo sobre benefícios fiscais ao capital, o Sindifisco defende mudanças na legislação para reduzir as distorções e permitir menor pagamento de imposto por trabalhadores e maior cobrança de grandes empresas e entidades financeiras. "Não basta o Estado bater recordes de arrecadação de Imposto sobre a Renda, pois quem sustenta essa estatística é a fatigada classe média."
 
É mole!!!!!!!

sábado, 15 de outubro de 2011

VAMOS CONTINUAR SONHANDO...........

PASSOU DA HORA DE RADICALIZAR


Esqueceram do Principal

"Entretanto, para viabilizar a revisão geral, segundo os preceitos da Lei 10.331/2001 e o artigo 78 da LDO, seria necessária a alocação de recurso na Proposta Orçamentária para 2012, assim como o envio de projetos de lei, até 31 de agosto prevendo o reajuste,conforme exige a LDO, o que não aconteceu."


Nossos chefes novamente omissos.


Governo Dilma e a política salarial dos servidores



A política de remuneração de pessoal na gestão do presidente Lula reestruturou diversas carreiras e atualizou quase 100% das remunerações dos servidores federais nos três poderes, inclusive os militares, o que tornou os salários do serviço público compatíveis com os praticados no setor privado.


Na gestão da presidente Dilma Rousseff a esperança era que houvesse uma política salarial permanente para o setor público, com a garantia de reajuste anual, com pelo menos a reposição da inflação, como determina a Constituição e como já é assegurado, por lei, para os aposentados e pensionistas do INSS - Instituto Nacional de Seguro Social, da Previdência Social.


Entretanto, a Presidente, que jurou cumprir a Constituição, vai para o segundo ano sem atualização salarial das carreiras de Estado. Ela, como todos os seus antecessores, ao tomarem posse juraram o compromisso, previsto no artigo 78 da Constituição, "de manter, defender e cumprir a Constituição, observadas as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade e a independência do Brasil".

E a Constituição Federal, em seu artigo 37, inciso X, estabelece que "a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que trata o Parágrafo 4º do artigo 39 somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica, observada a iniciativa privativa em cada caso, assegurada revisão geral anual, sempre na mesma data e sem distinção de índices".

Além disto, a Lei 10.331, de 18 de dezembro de 2001, regulamentou o inciso X do artigo 37 da Constituição e determinou que as remunerações e subsídios dos servidores públicos federais dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, das autarquias e fundações públicas federais, serão revistos no mês de janeiro, sem distinção de índices, extensivos aos proventos da inatividade e das pensões.

O artigo 2º da referida Lei 10.331/2001, entretanto, estabelece as condições a serem observadas para a revisão geral anual, que são: 1) autorização na lei de diretrizes orçamentárias; 2) definição do índice em lei específica; 3) previsão do montante da respectiva despesa e correspondentes fontes de custeio na lei orçamentária anual; 4) comprovação da disponibilidade financeira que configure capacidade de pagamento pelo governo, preservados os compromissos relativos a investimentos e despesas continuadas nas áreas prioritárias de interesse econômico e social; 5) compatibilidade com a evolução nominal e real das remunerações no mercado de trabalho; e 6) atendimento aos limites para despesa com pessoal de que tratam o artigo 169 da Constituição e a Lei Complementar no 101, de 4 de maio de 2000.

A Lei 12.465, de 12 de agosto de 2011, a chama Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) para 2012, em seu artigo 80 diz: "Fica autorizada, nos termos da Lei 10.331, de 18 de dezembro de 2001, a revisão geral das remunerações, subsídios, proventos e pensões dos servidores ativos e inativos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, bem como do MPU, das autarquias e fundações públicas federais, cujo percentual será definido em lei específica".

Entretanto, para viabilizar a revisão geral, segundo os preceitos da Lei 10.331/2001 e o artigo 78 da LDO, seria necessária a alocação de recurso na Proposta Orçamentária para 2012, assim como o envio de projetos de lei, até 31 de agosto prevendo o reajuste,conforme exige a LDO, o que não aconteceu.

O STF - Supremo Tribunal Federal, cuja remuneração de seus membros constitui teto da Administração Pública, acertadamente, como guardião da Constituição, tem enviado todo ano projeto de lei para atualizar os salários de seus integrantes, uma grande sinalização da importância, necessidade e conveniência deelaboração de uma política salarial para os servidores públicos.


A presidente Dilma, urgentemente, precisa rever sua posição de não atualizar os salários dos servidores pelo segundo ano consecutivo, sob pena de os servidores isoladamente ou entidades sindicais ingressarem com mandado de injunção ou ação direta de inconstitucionalidade por omissão solicitando o cumprimento da Constituição e da Lei sobre a reposição do poder de compra dos Salários.

E o Poder Judiciário, especialmente o Supremo Tribunal Federal, com fundamento na Constituição e a lei, poderá garantir reajuste aos servidores, utilizando como parâmetro a Lei 11.784/2008, que manda aplicar aos aposentados e pensionistas do regime próprio, que não tenham direito a paridade, o mesmo reajuste dadoa nualmente aos benefícios do INSS.

Os servidores e suas entidades precisam reagir, seja exigindo do Governo mudanças na LDO para permitir o envio de projeto atualizando os salários em 2012, seja provocando o Judiciário para suprir a omissão do Poder Executivo, que não repõe o poderdecompra dos salários, como mandam a Constituição e a lei. Se não reagirem, só haverá perspectiva de reajuste em 2013.

(*) Jornalista, analista político, diretor de Documentação do Diap, colunista da revista Teoria e Debate e do portal Congresso em Foco, autor dos livros "Por dentro do processo decisório - como se fazem as leis" e "Por dentro do Governo - como funciona a máquina pública".

Antônio Augusto de Queiroz*

O medo de aderir aos abaixo-assinados que seguem.


É uma vergonha

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/4335


http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/9089


http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/5866

2ª MARCHA CONTRA A CORRUPÇÃO EM 12 DE OUTUBRO DE 2011 - BRASÍLIA/DF












UNEMFA

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Segunda Marcha Contra a Corrupção

MEUS AMIGOS TEMOS QUE INTERAGIR COM ESSE PESSOAL E MOSTRAR NOSSA INSATISFAÇÃO COM O BAIXO SALÁRIO E O SUCATEAMENTO DA FORÇA.    


Segunda Marcha Contra a Corrupção







NA MÍDIA!




Durante a mobilização, os mobilziadores ficaram espertos quanto a fotógrafos e jornalistas. Se viam uma câmera ou alguém com caderno de anotações, logo iam falar com esta pessoa e davam um panfleto. Fazer isto também é importante pois aumenta a possibilidade do movimento aparecer na mídia ou em outros canais de comunicação. Já encontramos duas matérias do IG que citaram o movimento na marcha: sobre São Paulo e sobre Fortaleza. Também fomos citados na coluna do Augusto Nunes.



Você conhece um jornalista? Não deixe de falar pra ele sobre o movimento. Você pode enviar nosso release para ajudar o movimento ganhar mais repercussão.



E AGORA?



Continue participando do movimento #EuVotoDistrital da melhor forma que você puder. Seja distribuindo conteúdos nas redes sociais, falando com jornalistas, coletando assinaturas no seu prédio, escola etc..



E se você quer mais um evento para participar, vá amanha no 15 DE OUTUBRO. É um evento mundial pela mudança na nossa democracia.

                                                                                  

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

QUE PODER É ESTE ,QUE OS POLÍTICOS TEM SOBRE O POVO?

         Todos os dias você lê sobre escândalos praticados por políticos, caos na saúde ,educação, segurança, habitação, saneamento básico.

        O povão se vendeu por uma cesta básica, a gora eles fazem o que bem quer, gente acordem para realidade receber gratificações como estes programas sociais não é dignidade, dignidade e ter como prover seu sustento e de sua família.

        Imaginem quando um outro político a sumir a presidência, e ver que NÃO DA MAS pra continuar com estes programas, o que vocês faram se num belo dia vocês acordem ,ai escultem nos noticiários ACABOU O BOLSA FAMÍLIA, o novo governo acabou com todos os programas sociais.

       IMAGINEM sem trabalho, sem saúde, sem habitação para classe pobre (pois minha casa minha vida ,não é para classe pobre se vê pela RENDA ) ai o governo fala só come quem trabalha, só tem direito a saúde quem paga.

       O que o pobre cheio de filhos vai fazer ? vai por as filhas na prostituiçâo, os filhos no crime por que com estudo algumas vezes você não consegue um bom emprego, imagine sem estudo sem um curso técnico ou vai se matar.


       SE TORNARÃO DEFICIENTES POR NÃO SABEREM PROVER, ISTO QUE É O MAIS TRITE ESCRAVOS DA PREGUIÇA.

    QUE PODER É ESTE, QUE OS POLÍTICOS TEM SOBRE AS FFAA, PRINCIPALMENTE O PT ?

      Que poder é este, que mantem as forças armadas calada de armas atadas, reduzida, desunida , sucateada, humilhada em algumas unidades não tem nem rancho, os vales transporte são dados abaixo do que se gasta, salários nem se fala totalmente defasados, e você não vê reação por parte de ninguém, generais falam mas oque acontece logo depois, eles se calam, vão para reserva e virão diretores de algumas empresa de grande porte, será que isto é um cala boca ou castigo ? se for castigo eu queria ser castigado assim.

       Se os generais estão gando bem,a tropa NÃO, a quantidade de generais é pouca perante a quantidade de subalternos.

       O que a tropa esta esperando um milagre, no passado por muito menos fizemos algo em defesa da PÁTRIA, hoje estamos vendo ela ser surrupiada e nada fazemos.


POR QUE NINGUÉM FAZ NADA ?