terça-feira, 19 de julho de 2011

Vale uma reflexão!

Temos que reconhecer que os ex-Presidentes militares e suas esposas morreram pobres.

Que tempos diferentes!

Podemos criticá-los por várias razões, mas nunca por desonestidade.



Leia o texto.



A Morte de Dona Dulce Figueiredo

E falava-se horrores do Andreazza!

Que estaria riquíssimo, que teria ganho de presente das empreiteiras um edifício na beira da Lagoa Rodrigo de Freitas, que não tinha mais onde enfiar dinheiro.

Não sei se Amália Lucy Geisel ainda estará viva.

Pouco mais velha do que nós, tinha alguns problemas de saúde.

Pois bem: era professora do Colégio Pedro II e, mesmo quando o pai era presidente, ia de casa ao trabalho de ônibus.

Cansei de encontrá-la neles, ela e eu a caminho do centro do Rio.

Meu pai chamava isso de "os três dês do milico": decência, decoro, discrição.

Primeiro, morreu o Cel. Mário Andreazza.

Quando Ministro dos Transportes, foi responsável pela construção da ponte Rio-Niteroi, obra que teve empréstimo inglês de 2 bilhões de dólares (Sim! Dois bilhões!

De dólares!).

Os seus 37 colegas de turma fizeram uma vaquinha para que o corpo pudesse ser transladado para o Rio Grande do Sul.

Já em 2003, foi a vez de Dona Lucy Beckman Geisel.

Pobre e discreta, morreu em acidente de carro na lagoa Rodrigo de Freitas.

Hoje (06.06.2011) foi a vez da Dulce Figueiredo, que ficou viúva em 1999, do último presidente militar.

Em 2001, devido a problemas financeiros, organizou um leilão para vender objetos pessoais do marido.

Sem comentários.

Faça suas comparações e tire suas conclusões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário