quinta-feira, 7 de julho de 2011

PT da vida com Dilma, Jobim deve ser a próxima baixa, assim que PMDB definir nome para Defesa

Depois da derrubada de Antônio Palocci na Casa Civil (tramada pelos aliados peemedebistas) e da queda ontem de Alfredo Nascimento dos Transportes (orquestrada pelo Palácio do Planalto), a próxima previsão de baixa no ministério de Dilma Rousseff é Nelson Jobim. Indisposto com a Presidenta – a quem acusa, nos bastidores, de tratar mal e desrespeitar os auxiliares -, Jobim pedirá para sair assim que o PMDB resolver quem vai para o cargo.



Jobim só não aceita deixar o governo sob fritura pública – como ocorreu com Palocci e Nascimento. O ministro reclama do esvaziamento orçamentário da pasta da Defesa – o que também é motivo de ira dos lobistas do PMDB, interessados em faturar alto com as compras para as três Forças. Como o reequipamento do Exército, Marinha e Aeronáutica acontece em câmera lenta, apenas para efeitos especiais, Jobim e os peemedebistas ensaiam um ataque ao governo para garantir a Defesa.



Um dos grandes interessados em remodelar a tal modernização das Forças Armadas é o ministro de Assuntos Estratégicos, Wellinton Moreira Franco. A relação entre ele e Jobim é de “tolerância”. Além de ser velho cardeal do partido – cumprindo um papel de articulação com grandes empresas igual ao que Palocci faz nos bastidores do PT -, Moreira é nomeação da cota pessoal do vice-Presidenta da República Michel Temer. Dilma Rousseff o colocou, contrariada, na SAE. Se Jobim sair, Moreira tem chances de acabar na Defesa.



Os peemedebistas já identificaram que existe um lobby petista, com empreiteiras ligadas à área da Defesa, para tomar a pasta de assalto. Um dos maiores interessados na operação de ocupação da Defesa é o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloísio Mercadante Oliva, que é filho de General de Quatro Estrelas e tem um irmão Coronel da reserva do Exército. Se o PMDB se sentir ameaçado de perder a estratégica posição, Mercadante pode ser a próxima vítima dos misteriosos dossiês plantados na mídia amestrada para derrubar ministros.


Fraquezas Armadas?


Militares melancias estão PTs da vida com Olavo de Carvalho.



Tudo por causa de um vídeo do filósofo e jornalista no YouTube indagando:




“As Forças Armadas do Brasil existem? Se acovardaram? Servem para que? Podemos contar com eles para defender o nosso País?".




Basta conferir em: http://youtu.be/0aPpq9u2vH8



Gado Fardado




Um segmento minoritário no Exército, que não aceita críticas objetivas, leva duras pancadas nos sites que tratam de temas militares no mundo ainda livre da Internet.



Voltou a circular na rede, em esquema viral e recebendo centenas de comentários, o artigo “Gado Fardado” - escrito pelo Capitão de Cavalaria da Ativa do EB Lenilton Morato, que cursa a ESAO.



Leia, abaixo, o artigo publicado por ele em 30 de março de 2011, que lhe rendeu uma Apuração de Transgressão Disciplinar, seguida de punição: cadeia.



Liquidação



A cúpula legionária tremeu no coturno depois que o Procurador-geral do TCU, Lucas Furtado, resolveu criticar o Exército por terceirizar, sem licitação e apenas por credenciamento, sua folha de pagamento de 220 mil beneficiários ativos:



“O credenciamento é passível de críticas. O gestor, seja ele civil ou militar, deve se pautar pelo princípio da economicidade e buscar resultados positivos para a administração”.



Nove instituições bancárias, inclusive o Banco do Brasil e Caixa Econômica, dividiram o filão entre si, e pagarão ao EB R$ 42 milhões por ano para administrar o filão.



Mal negociado



O procurador Lucas Furtado avalia que o EB fez um péssimo negócio.



A Câmara dos Deputados conseguiu R$ 44 milhões por ano vendendo sua folha de apenas 16 mil funcionários.



Com um efetivo 13 vezes maior, o EB receberá R$ 42 milhões - menos do que a Casa Legislativa.
 
Por Jorge Serrão

Nenhum comentário:

Postar um comentário