quarta-feira, 13 de julho de 2011

Juros do especial beiram os 200%

 Entrar no limite do cheque especial continua um risco para as finanças pessoais. Em julho, as taxas cobradas pelos bancos nessa modalidade de crédito apresentaram alta. Os juros bateram 9,55% ao mês, o maior patamar desde fevereiro de 2000, segundo pesquisa divulgada ontem pelo Procon-SP. Ao ano, a taxa média desse tipo de empréstimo ficou em 198,92%.




Se o consumidor tivesse recorrido ao cheque especial e usado R$ 500 em junho, pagaria R$ 547,47 neste mês. O levantamento do Procon considerou o período de 30 dias de uso do limite.



O estudo leva em conta ainda as taxas máximas pré-fixadas do crédito oferecidas a clientes de sete bancos: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, HSBC, Itaú, Safra e Santander.



Para a assessora de direção do Procon-SP, Cristina Martinussi, os juros do cheque especial foram pressionados pelo aumento da Selic, que é definida pelo Banco Central. Em junho, ela passou de 12% para 12,25%.



No caso do empréstimo pessoal, a taxa média nos bancos ficou em 5,71% em junho, a maior desde abril de 2009, quando fechou em 5,74%. O cliente que pegou R$ 500 emprestados em junho pagará R$ 528,55 agora.



De lupa



PLANEJAMENTO — De acordo com o Procon-SP, “um bom planejamento do orçamento doméstico é o primeiro passo para uma vida financeira sem sobressaltos”.



CENÁRIO INCERTO — O comportamento dos juros no segundo semestre é incerto. O consumidor deve ficar atento na hora de contratar um empréstimo pessoal ou usar o limite do especial.







Fonte: O Dia Online - 13/07/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário