domingo, 24 de julho de 2011

Jogos Militares........REPASSANDO

Prezados amigos do Portal militar!


Hoje, teremos o encerramento dos 5 jogos mundiais militares no Brasil, quero parabenizar a todos os militares envolvidos nesse grande evento, cabe ressaltar a importância do esporte como inclusão social e celebração entre os povos.

Mais não podemos esquecer das valorosas e guerreiras "esposas de militares e simpatizantes" que ali presentes de forma pacífica e democrática, no engenhão "chamando a atenção" para os graves problemas dos militares.

Hoje, grande parte dos militares das forças armadas, vêm passando por inormes dificuladdes financeiras, não quero aqui debater o mérito dessas dívidas, mais com certeza, a maior parte da fatia desse bolo é de responsabilidade, culpa e descaso do Governo federal e do Congresso, que não resolveram os problemas relativos a remuneração e benefícios dos militares(Medida Prov.do Mal 2.215/01)e não estabeleceram um plano de carreira regulamentado(praças) que permita uma ascensão segura e fixa até o final da carreira, sem o aumento do tempo de serviço.

É possível sonhar e unir um Brasil justo, correto e solidário? eu continuo acreditando que seja sim, mais não podemos abdicar da esperança e do bom senso.

Eu, concordo com alguns blogueiros deste portal, que o apoio irrestrito a movimentos que mobilizem pessoas no sentido de ajudar a nossa classe, para atravéis do diálogo e de manifestações pacíficas e ordeiras, sejam bem vindos, e mereçam todo nosso respeito e apoio, pois algumas vezes a voz e não o silêncio, será uma ferramenta importantíssima para chamarmos a atenção da opinião pública e do Brasil, para a valorização dos militares das forças armadas.

"Fica difícil não trazer esse raciocínio para o Brasil. Hoje, 40 milhões de brasileiros vivem abaixo da linha da pobreza, sobrevivendo com a metade desse obsceno salário mínimo que querem elevar para 540 reais. Os bancos lucram bilhões a cada trimestre, enquanto cai o poder aquisitivo dos salários. Isso para quem consegue mantê-los, porque, apesar da propaganda oficial, o desemprego continua presente. São 15 milhões de desempregados em todo o país, ou seja, gente que já trabalhou com dignidade e hoje vive de biscates, ou, no reverso da medalha, jovens que todos os anos gostariam de entrar no mercado sem nunca ter trabalhado.

Alguns ingênuos imaginam que o bolsa-família e sucedâneos resolveram a questão, mas o assistencialismo só faz aumentar as diferenças de classe. É crueldade afirmar que a livre competição resolverá tudo, que um determinado cidadão era pobre e agora ficou rico. São exemplos da exceção, jamais justificando a regra de que, para cada um que obtém sucesso, milhões continuam na miséria.

A globalização tem, pelo menos, esse mérito: informa em tempo real ao mundo que a saída deixada às massas encontra-se na indignação. Os que nada tem a perder já eram maioria, só que agora estão adquirindo consciência, não só de suas perdas, mas da capacidade de recuperá-las através do grito de “basta”, “chega”, “não dá mais para continuar”.
Abs.

RAMON_MUDA RIO

Nenhum comentário:

Postar um comentário