quarta-feira, 29 de junho de 2011

Relator vai apresentar parecer de caso Bolsonaro nesta quarta

O relator do processo disciplinar contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), Sérgio Brito (PSC-BA), afirmou que seu parecer prévio deve pedir a continuidade da investigação contra o parlamentar. O relatório deve ser discutido na reunião do Conselho de Ética desta quarta-feira (29).



A primeira denúncia contra Bolsonaro é pela polêmica entrevista concedida ao programa "CQC", da TV Band, em março passado.



Ao ser questionado pela cantora Preta Gil sobre qual seria a reação dele se seu filho se apaixonasse por uma negra, o parlamentar respondeu: "Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco e meus filhos foram muito bem educados. E não viveram em ambiente como, lamentavelmente, é o teu".



O deputado afirmou que, depois da exibição do programa, que entendeu errado a pergunta, confundindo "negra" com "gay".

Senadora Marinor Brito (à dir.) e deputado Jair Bolsonaro discutem durante reunião na Comissão de Direitos Humanos




Senadora Marinor Brito (à dir.) e deputado Jair Bolsonaro discutem durante reunião na Comissão de Direitos Humanos



O outro fato citado na representação é a briga entre Bolsonaro e a senadora Marinor Brito (PSOL-PA), na Comissão de Direitos Humanos do Senado. Após a retirada do projeto que criminaliza a homofobia da pauta de votação, enquanto a relatora da proposta, Marta Suplicy (PT-SP), concedia entrevista à imprensa, Bolsonaro exibiu um panfleto contra a ampliação dos direitos dos homossexuais, o que irritou Marinor, que chegou a bater na mão do deputado.



Marinor tentou impedir que Bolsonaro exibisse o panfleto e o chamou de homofóbico, o que acabou resultando em discussão.



"Não se está querendo impor limites ao direito de livre expressão. Entretanto, exprimir-se livremente carrega um dever: o de não incorrer em prática de crime contra a honra, ou seja, não praticar injúria, calúnia ou difamação", diz a representação.



A partir da análise do juízo de admissibilidade, Bolsonaro terá dez dias para apresentar sua defesa. Depois, o relator terá mais 40 dias úteis para preparar seu relatório final e mais dez para apresentá-lo ao conselho. Ou seja, serão cerca de 60 dias úteis até o término do processo.

http://www1.folha.uol.com.br/poder/936084-relator-vai-apresentar-parecer-de-caso-bolsonaro-nesta-quarta.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário