terça-feira, 14 de outubro de 2014

DEUS é Brasileiro...... Onde quem não trabalha fica milionário em 4 anos.


Cresce o número de milionários nas Assembleias Legislativas do país


Milionários - estaduais
O número de deputados estaduais milionários cresce a cada eleição. Levantamento feito pelo G1deus É  bRASIELIRO com base nos dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostra que 375 políticos eleitos para as Assembleias Legislativas declaram um patrimônio superior a R$ 1 milhão, mais de um terço do total.

Nas eleições passadas, eram 297 parlamentares milionários; em 2006, 205.
O patrimônio médio dos eleitos também é maior hoje: R$ 1,446 milhão (contra 1,039 milhão em 2010). Apesar disso, há 55 deputados que declaram não ter bem algum em seus nomes.
O deputado estadual mais rico do país é o empresário Zeca Viana (PDT-MT). Ele declara possuir R$ 87 milhões em bens, entre fazendas, terrenos, veículos diversos e quotas de aeronaves.
Bancadas
Entre os partidos, o que mais tem milionários é o PMDB: 67. Logo depois vem o PSDB, com 43. O DEM, com 32, o PDT, com 27, e o PSD e o PT, com 24, o PP, com 20, o PR, com 18, e o PTB e o PSB, com 17, completam a lista dos dez mais.


Por estado
São Paulo e Minas Gerais concentram o maior número de milionários: 39 cada um. Bahia contará com 27, o Rio de Janeiro, com 23, e o Paraná, com 22.

Em 2015, o PMDB ocupará o maior número de cadeiras no país. Veja as composições de todas as Casas.

Por Rosanne D'Agostino e Thiago Reis

Mais uma para prejudicar o trabalhador após as eleições..........ABRA O OLHO

BRASÍLIA (Reuters) - A reforma que modificará os tributos federais PIS e Cofins está em andamento mas não será apresentada nas duas semanas que antecedem o segundo turno da eleição presidencial, no dia 26 de outubro, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta segunda-feira.
"Não tem nenhum pacote. Estamos trabalhando há algum tempo, de modo que o PIS/Cofins vai vir reformado. Porém, não tem prazo para ficar pronto. Certamente não será nessas duas semanas de eleição. Será para depois, ainda este ano", disse o ministro a jornalistas ao chegar ao prédio do ministério nesta segunda-feira em Brasília.
A proposta de mudança dos dois tributos faz parte da agenda de temas do Ministério da Fazenda para a melhora da competitividade do setor empresarial. A possibilidade de apresentação da reforma do PIS/Cofins nas próximas duas semanas foi informada pelo jornal "O Estado de São Paulo" no último domingo.
De acordo com o ministro, as mudanças podem ser implementadas de forma espaçada, em dois anos, por exemplo, por conta do impacto na arrecadação.
"15 bilhões de reais é o que custa implementar o PIS/Cofins, permitindo a dedução de créditos, principalmente de serviços, que hoje não são permitidos", explicou.
Segundo ele, ainda faltam alguns detalhes técnicos e discussões com segmentos envolvidos.
O ministro disse ainda que juntamente com a reforma do PIS e da Cofins até o fim deste ano poderá ser apresentada também a reforma do tributo estadual ICMS.
Questionado por jornalistas sobre se o governo pode anunciar outras medidas econômicas nas próximas duas semanas, Mantega disse que não estão previstos novos pacotes no período e que o governo tem adotado medidas micro e macroeconômicas, no sentido de dar mais competitividade à iniciativa privada.
"Só medidas econômicas de curto prazo para o andamento da economia."
A economia é um dos temas centrais da disputa presidencial entre a presidente Dilma Rousseff (PT), que tenta a reeleição, e o candidato do PSDB, Aécio Neves.
(Reportagem de Nestor Rabello)

Aécio abre vantagem sobre Dilma, diz pesquisa Sensus

BRASÍLIA (Reuters) - O candidato pelo PSDB à Presidência da República Aécio Neves largou no segundo turno com ampla vantagem sobre a candidata Dilma Rousseff, que tenta a reeleição pelo PT, apontou no sábado pesquisa do Instituto Sensus divulgada pela revista Istoé.
Segundo o levantamento, o tucano registrou 52,4 por cento das intenções de voto, enquanto Dilma foi preferida por 36,7 por cento dos entrevistados. Brancos, nulos e indecisos somam 11 por cento na pesquisa, que tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais.
Ao considerar apenas os votos válidos, descontados os brancos e nulos, a pesquisa aponta Aécio com 58,8 por cento e Dilma com 41,2 por cento, uma diferença de 17,6 pontos percentuais.
Esta foi a primeira Sensus depois do primeiro turno das eleições, com campo entre os dias 7 e 10 deste mês. O levantamento já pode ter captado parte do impacto da divulgação na quinta-feira de depoimento de ex-diretor da Petrobras à Justiça em que detalha suposto esquema de sobrepreço em contratos da estatal que abastecia partidos políticos, citando o PT, o PP e o PMDB.
As entrevistas também ocorreram após o anúncio de apoio formal de partidos à candidatura tucana, como o PSB e o PPS.
As pesquisas mais acompanhadas pelos analistas são Ibope e Datafolha, que têm abrangência maior.
As primeiras pesquisas Datafolha e Ibope para o segundo turno divulgadas na quinta-feira também apontaram vantagem do candidato do PSDB. Segundo esses levantamentos, Aécio teria 51 por cento dos votos válidos contra 49 por cento de Dilma. Como a margem de erro é de 2 pontos percentuais, a presidente e o tucano estão em empate técnico em ambas as pesquisas.
(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Todos que puderem dar sua contribuição são bem vindos

O psiquismo petista, nos últimos dias

O psiquismo petista, nos últimos dias, entrou em um estado de alucinação coletiva. É difícil entender, de um ponto de vista de esquerda, que tipo de “estratégia” poderia levar a escolhas políticas e de comunicação tão erradas, numa véspera de eleição tão delicada. A ideia de que vivemos num país cindido de cima a baixo (ou, mais exatamente, na linha de fronteira entre o Espírito Santo e a Bahia) sempre foi alimentada pela direita alarmista. É a direita que gosta de teses bisonhas como a da preparação de um “golpe comunista” (exatamente por um governo refém do crescimento do consumo, como o de Dilma?). A eleição de Lula, e sua melhor fase no governo, baseou-se exatamente no sentimento contrário. Foi o cacife popular (e populista) de Lula que permitiu estabilizar a economia com ferramentas da ortodoxia de mercado, e iniciar uma distribuição de renda. Lula sim é que executou uma frase famosa dita pelo então ministro Delfim Netto durante a ditadura, “é preciso que o bolo cresça para depois dividi-lo”. Confrontada com a “ameaça” das eleições, Dilma perdeu completamente a mão. Eu sei que as principais decisões de campanha são tomadas pelo marqueteiro João Santana (foto), mas todo publicitário sabe que o marketing tem que manter alguma relação com o “produto” (a candidata, o partido) para não soar completamente falso. image Depois de todas as suposições otimisticamente erradas que fez antes da campanha, Santana sabia que enfrentar Aécio num segundo turno seria uma arapuca. Mas não soube como dosar os ataques a Marina Silva para evitar o reempoderamento de Aécio Neves. Aécio que num determinado ponto da campanha do primeiro turno estava totalmente batido, como bem nos lembramos (afinal faz apenas seis semanas). Foi o psiquismo petista que levou à agressiva desconstrução de Marina no primeiro turno. O efeito colateral foi turbinar Aécio de novo. E é esse mesmo psiquismo que está esboçando a derrota do PT diante do candidato do PSDB. De fato, a campanha de João Santana passou um tanto dos limites contra Marina – mas serviu de mote para que a militância passasse muito mais. Marina não é uma candidata fácil de administrar. Passa muito o recibo de que a realidade é complexa (porque é mesmo), e às vezes é até melhor buscar um bom oráculo para produzir uma chispa de sabedoria em momentos difíceis, do que confiar em “lógicas” e certezas ilusórias (o que provocou chacota contra seu hábito, nesse sentido até saudável, de consultar a bíblia em busca de um insight). Marina portou-se um tanto como Lula, ao tentar abraçar forças dicotômicas. Mas Lula executou essa manobra como um tio conciliador, boa praça e cervejeiro, e Marina queria executá-la com base em uma fala severa (pode-se dizer também que severidade é um elemento que está faltando muito na nossa política). Era relativamente fácil de desconstruí-la, com base no anseio popular por um candidato com superpoderes e soluções fáceis. Mas algumas escolhas moralistas da campanha funcionaram bem demais. Foi o caso dos ataques à educadora Neca Setubal, que é dona de menos de 2% do Itaú, e foi apresentada como uma representante dos banqueiros na campanha de Marina, quando era exatamente o contrário (uma figura abastada porém simpática ao ativismo social e ambiental, ou seja, algo que absolutamente nos faz falta no contexto brasileiro). O mesmo com os ataques à posição do programa de Marina relativizando a importância do petróleo como combustível (o mote do “poderio do pré-sal” foi abraçado com gosto pelo sindicalismo mais simplório); e a semântica irrelevante do ambientalista Chico Mendes ser “elite” ou não (é óbvio que qualquer liderança social pode ser chamada de elite, se se atribuir um significado positivo à palavra). E assim por diante. Os petistas bateram com gosto (e injustiça), enquanto Marina era levada às cordas e não tinha tempo nem habilidade para se explicar. E assim perdeu-se o momento mágico: um cenário em que duas mulheres, vindas do campo da esquerda, uma delas negra, disputariam o segundo turno mais qualificado da história eleitoral do Brasil. Esse teria sido o grande legado de Lula ao país: o embate de suas duas ex-ministras. Escrevi já um pouco sobe isso neste texto, O desserviço final do PT ao Brasil. Acontece que na equação petista não entrou um elemento: o fato de que o partido vem construindo, ao longo do tempo, uma sólida antipatia em setores da sociedade. Não só os da assim chamada direita, que repelem o PT pelas razões erradas (aversão aos programas de inclusão social e de horizontalização da sociedade), mas também com setores que têm uma percepção mais “à esquerda”, ou com preocupações sociais. E é aí que começa o grande problema para o PT. No seu curso à direita, nestes 12 anos de poder, o partido foi de enorme inabilidade política, ao deixar se romperem os laços com muitos movimentos sociais. Os ápices da incompreensão foram junho de 2013 e as manifestações contra os gastos na Copa, em que o PT alienou e tratou como inimigos aqueles que seriam aliados naturais. Substituiu-os por bagaços políticos que o próprio PSDB havia abandonado à sua sorte, como Sarney, Maluf, Collor etc. Lula, o “tio conciliador”, teve a ideia duvidosa de chamar para si esses resíduos do pior da política do século passado, contando controlar e alimentar um pouco os seus minguantes poderios locais. Perdeu parte da credibilidade à esquerda, sem ganhar nenhuma à direita. O mesmo erro aconteceu com os políticos neopentecostais, que Lula, num primeiro momento, também supôs que controlaria politicamente, como contrapeso à influência da igreja católica nos seus ambientes políticos de origem – os mesmos que fundaram o PT. E essa origem psicossocial igrejeira e sindical do PT merece um comentário à parte. Certamente ela tem a ver com esse psiquismo petista que agora fugiu ao controle: o de que toda a complexidade social, cultural e política nacional se reduz a um “eles contra nós”, um “nós que temos o monopólio das boas intenções”, um “exigimos um voto de confiança contra os bandidos”. E ninguém vê isso de fora. Esse paradoxo se apresentou na época da denúncia do mensalão, em 2005. Foi quando uma ala petista com um pensamento político mais saudável falou em “refundação do partido” – e não em tentar varrer o problema para baixo do tapete (não deu certo, como vimos). Essa duplicidade petista, que é tão estranha e indigesta vista daqui, vista pelos petistas parece gerar ainda maior aflição e urgência. E inconveniência. No momento em que precisa atrair eleitores à esquerda (porque os de direita já estão perdidos para o Aécio), a campanha dá destaque à senadora ruralista Katia Abreu? Exatamente a que é conivente com o armamento de fazendeiros para o assassinato de índios? No momento em que é confrontada com mais um escândalo na Petrobrás, Dilma discursa contra a corrupção… tendo ao seu lado, no mesmo palanque alagoano, representantes clássicos da corrupção como Collor e o filho de Renan Calheiros? No momento em que mais precisa do voto paulista (estado central na história do PT, cuja capital já elegeu Erundina, Marta e Haddad), incentiva o mito de que o estado só tem reacionários? Laura Capriglione desenvolve o assunto em seu blog:”Bairros pobres e históricos redutos do PT, como o Campo Limpo, na zona Sul, terra onde vive Mano Brown, por exemplo, ou Itaquera e São Miguel Paulista, na zona Leste, sufragaram mais Aécio do que Dilma. Capela do Socorro, lar do sarau da Cooperifa, do poeta Sergio Vaz, também. E a Pedreira, Ermelino Matarazzo e Cangaíba (…) Vai falar lá que aquela gente morena, parda e preta, que eles são a elite branca, fascista, oligarca ou coisa que o valha”. Dilma, o PT e a militância deveriam tratar a questão com mais desassombro e delicadeza (até porque, na verdade, qualquer presidente eleito estará subordinado exatamente às mesmas forças políticas, representadas no PMDB e nos partidos fisiológicos, e não no PT nem no PSDB). Mas certamente estão alienando mais ainda os eleitores que perderam nos últimos anos. Parece difícil, a esta altura do campeonato. Sem que haja o menor motivo prático, os petistas continuam agredindo não só Marina, mas quem pensou em votar nela, naquele não tão distante momento em que o Brasil quase teve uma eleição presidencial decente. O PT surtado se parece muito com a caricatura, chantagista, desleal e descompensada, que os colunistas de direita tanto gostam de fazer dele. E parece querer confirmar a tese de que só na oposição poderá se requalificar na importância política e social que já teve.

https://br.noticias.yahoo.com/blogs/alex-antunes/o-chilique-chantagista-do-pt-013530317.html#more-id

sábado, 11 de outubro de 2014

Chamem a policia

O ESCÂNDALO DE BENEDITO DE OLIVEIRA NETO

O ESCÂNDALO DE BENEDITO DE OLIVEIRA NETO E PORQUE O PT QUER ESCONDÊ-LO DE VOCÊ Conhecido como Bené, o empresário beneficiado do PT se misturava com núcleo de espionagem do partido e era um dos ocupantes do avião em que a Polícia Federal apreendeu mais de 116.000 Reais na noite desta terça-feira, em Brasília. Junto com Bené estava Marcier Trombiere Moreira, que deixou em julho deste ano o cargo de assessor especial do ministro das Cidades, Gilberto Occhi, para trabalhar na área de comunicação da campanha de Fernando Pimentel. Saiba mais em: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/operador-de-campanhas-petistas-estava-em-aviao-que-transportava-dinheiro-vivo PSDB O ESCÂNDALO DE BENEDITO DE OLIVEIRA NETO E PORQUE O PT QUER ESCONDÊ-LO DE VOCÊ Conhecido como Bené, o empresário beneficiado do PT se misturava com núcleo de espionagem do partido e era um dos ocupantes do avião em que a Polícia Federal apreendeu mais de 116.000 Reais na noite desta terça-feira, em Brasília. Junto com Bené estava Marcier Trombiere Moreira, que deixou em julho deste ano o cargo de assessor especial do ministro das Cidades, Gilberto Occhi, para trabalhar na área de comunicação da campanha de Fernando Pimentel. Saiba mais em: http://veja.abril.com.br/…/operador-de-campanhas-petistas-e…